SILVEIRA, ALARICO DA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SILVEIRA, Alarico da
Nome Completo: SILVEIRA, ALARICO DA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SILVEIRA, ALARICO DA

SILVEIRA, Alarico da

*magistrado e jornalista; secr. Pres. Rep. 1926-1930; min. STM 1929-1934.

 

Alarico da Silveira nasceu em São Paulo no dia 11 de janeiro de 1875.

Iniciou suas atividades jornalísticas em 1895 como redator do periódico Guanumbi, em Casa Branca (SP), e formou-se em 1899 pela Faculdade de Direito de São Paulo.

Passou a advogar em Casa Branca, onde fundou o Grêmio Literário e Recreativo e colaborou nos jornais Oeste de São Paulo, Tribuna Livre e Vera Cruz, até ser nomeado promotor das comarcas de Caconde (SP) e Ituberava (SP). Em 1905, transferiu-se para a capital paulista, onde trabalhou no jornal São Paulo, escrevendo artigos sobre política internacional. Trabalhou também no Correio Paulistano, do qual foi secretário e redator-chefe de 1909 a 1910. Durante o governo do presidente Hermes da Fonseca (1910-1914), chefiou em 1914 o Gabinete de Censura à Imprensa, quando da suspensão das garantias constitucionais, em virtude da vigência do estado de sítio no país. Em 1920, assumiu a Secretaria do Interior de São Paulo, a convite do presidente estadual Washington Luís Pereira de Sousa, empossado nesse ano. Nessa época, integrou o movimento literário “Verde-Amarelo”, ao lado de Plínio Salgado, Menotti del Picchia e outros.

Em novembro de 1926, logo após a posse de Washington Luís na presidência da República, foi nomeado secretário da Presidência da República. Em setembro de 1927, tornou-se membro da delegação brasileira à VI Conferência Pan-Americana, realizada em Havana, Cuba, onde participou ativamente da discussão dos problemas relativos à cooperação intelectual no continente. Ainda em 1927, foi convidado pelo Ministério da Guerra para proferir conferências sobre direito internacional nas escolas de Estado-Maior e de Intendência do Exército, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Em outubro de 1929, foi nomeado ministro do Supremo — hoje Suprerior Tribunal Militar (STM) — mas pediu licença no mês seguinte para reassumir a secretaria da Presidência da República. Em janeiro de 1930, voltou ao STM, deixando o tribunal em 1934, ao ser posto em disponibilidade.

Foi também policial de carreira nos municípios paulistas de Iguape, Descalvado, Pindamonhangaba e São Carlos, diretor da Repartição de Salubridade Pública e da Repartição de Limpeza Pública de São Paulo e membro do Tribunal de Contas de São Paulo. Como jornalista, escreveu nas publicações Novíssima, onde divulgou suas idéias nacionalistas e americanísticas, e Vila Moderna.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 5 de março de 1943.

Foi casado com Dinorá Ribeiro Silveira, com quem teve uma filha, Diná Silveira de Queirós, escritora e membro da Academia Brasileira de Letras, casada em segundas núpcias com o diplomata Dario de Castro Alves, que chefiou a embaixada brasileira em Lisboa.

Publicou a Enciclopédia Brasileira (1º volume, 1958) e A convenção de Itu, deixando inédito o livro Estudos brasileiros e inacabado o Dicionário de idiotismos da língua portuguesa.

 

 

FONTES: CORRESP. SUP. TRIB. MILITAR; Efemérides Paulistas; Encic. Mirador; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (28/11/82); LAGO, L. Conselheiros; MACEDO, R. Efemérides; MELO, L. Dic.; MIN. GUERRA. Almanaque; SILVA, H. 1935.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados