SIMÕES, Iris

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SIMÕES, Iris
Nome Completo: SIMÕES, Iris

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SIMÕES, Íris

SIMÕES, Íris

*dep. fed. PR 1999-2007.

 

Íris Xavier Simões nasceu em Pato Branco (PR) no dia 25 de maio de 1961, filho de Jardelino Xavier Simões e Vitória Xavier Simões. Seu irmão, o radialista Carlos Simões, foi vereador de Curitiba e deputado estadual por cinco legislaturas entre 1991 e 2009, tendo seu mandato na Assembléia Legislativa do Paraná (Alep) cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em maio de 2009 por abuso do poder econômico.

Trabalhou como agricultor em Pato Branco entre 1970 e 1976. Em seguida, trabalhou como bancário no Bradesco em 1978 e no Banco Francês e Brasileiros (BFB), em Curitiba, entre 1978 e 1987. Nesse período, frequentou por um curto período o curso de ciências ecônomicas na Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 1985 sem no entanto dar prosseguimento aos estudos. Trabalhou também como assessor do sindicato das empresas de ônibus do estado do Paraná entre os anos de 1987 e 1992. A partir do final da década de 1980 se tornou comunicador e começou a apresentar programas de rádio na capital paranaense, tendo sido radialista da Rádio Difusora a partir de 1989 e apresentador de programas de rádio e televisão no Paraná nos anos seguintes.

Ingressou na atividade política elegendo-se vereador em Curitiba no pleito de outubro de 1992 pelo Partido Liberal. Assumindo o mandato em janeiro de 1993, reelegeu-se para o mesmo cargo nas eleições municipais de outubro de 1996, dessa vez pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), permanacendo no cargo até 1999. Durante seu mandato na Câmara dos Vereadores de Curitiba Íris Simões filiou-se ao Partido Progressista Brasileiro (PPB), tornando-se membro da executiva regional do partido a partir de 1996, foi presidente da mesa diretora da casa e participou de várias comissões, entre elas a Comissão de Defesa do Cidadão, de Economia, Finanças e Fiscalização, e de Legislação, Justiça e Redação. Em fevereiro de 1999 renunciou ao mandato de verador para assumir o cargo de deputado federal para o qual havia sido eleito nas eleições de outubro de 1998 pela legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), partido ao qual havia se filiado em 1997.

Em sua primeira legislatura na Câmara dos Deputados foi vice-líder do PTB integrando ainda a comissão de Ciência e Tecnologia. Votou a favor do fim dos juízes classistas, da recriação da Contribuição Provisória sobre Contribuição Financeira (CPMF), da restrição ao executivo da capacidade de emitir Medidas Provisórias, e absteve-se no tocante à proibição do nepotismo na administração pública.

Nas eleições de outubro de 2002 foi reeleito para um novo mandato como 91.042 votos. Assumindo o mandato em fevereiro de 2003, nesse mesmo ano tornou-se presidente do PTB no estado do Paraná e, a partir de novembro de 2004, começou a apresentar, juntamente com seu irmão, um programa de TV intitulado Programa Carlos e Iris Simões, pela TV Iguaçu, afiliada ao Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) no estado. Nessa legislatura foi ainda terceiro vice-presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática em 2005, presidente da Comissão de Defesa do Consumidor em 2006, e membro da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. Em setembro deste último ano foi notificado pelo Conselho de Ética da Câmara dos Deputados num processo por quebra de decoro parlamentar aberto após recomendação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Sanguessugas, que investigou a compra superfaturada de ambulâncias com recursos do Orçamento.

Em junho de 2006 foi declarado ineligível por três anos pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Paraná por abuso de poder econômico e utilização indevida dos meios de comunicação social. Conforme alegação do Ministério Público Eleitoral (MPE) em maio desse ano, ele e seu irmão, Carlos Simões, teriam se utilizado de programas de rádio e televisão e, por meio deles, promovido suas candidaturas antes do período permitido pela legislação eleitoral inclusive com “pedidos explícitos e implícitos de votos” que, segundo o MPE, faziam propaganda eleitoral antecipada dos candidatos. Nestes mesmos programas, segundo a denúncia, os irmãos fizeram uso eleitoral de doações de diversos itens de necessidade da população desassistida (inaladores, fraldas, cadeiras de rodas, dentaduras, alimentos e rádios), promovidas numa ação denominada “Casa do Povo”. Durante os programas, as pessoas eram incentivadas a comparecer à “Casa do Povo”, mantida por Carlos e Íris Simões, para receber os produtos de que necessitavam. Segundo o MPE, as doações foram mantidas durante o período eleitoral e “em quantidade tão expressiva que se mostrava suficiente para comprometer a igualdade e lisura da disputa eleitoral, incorrendo na prática de abuso do poder econômico”. Às vésperas da eleição de 2006, Carlos e Íris Simões foram condenados pelo TRE a três anos de inelegibilidade, por crime de abuso do poder econômico e uso irregular de meios de comunicação. Entretanto, os dois recorreram ao TSE e conseguiram disputar a eleição. Íris não conseguiu se eleger deputado federal, já Carlos Simões obteve uma cadeira na Assembleia Legislativa do Paraná com 32.138 votos.

Após a derrota nas eleições, Íris Simões voltou a apresentar programas de televisão e rádio em Curitiba, sempre focados na resolução de problemas materiais da população de baixa renda através de práticas de natureza assistencialista. No pleito de outubro de 2008 candidatou-se ao mandato de vereador pelo Partido da República (PR), mas não conseguiu se eleger obtendo apenas 4.418 votos. Em março de 2009 o TRE do Paraná cassou por unanimidade o mandato eletivo de seu irmão, o deputado estadual Carlos Simões (PR), por abuso de poder econômico nas eleições de 2006.

Foi casado com Andréia Baggio Simões, com quem teve dois filhos.

 

FONTES: http://www2.camara.gov.br/ (último acesso em 12/11/2009); http://www.tse.gov.br/ (último acesso em 12/11/2009); http://www.parana-online.com.br/ (último acesso em: 12/11/2009); http://www.vigilantesdademocracia.com.br/ (último acesso em: 14/11/2009); http://www.transparencia.org.br/index.html (último acesso em: 14/11/2009); OLIVEIRA, Ricardo Costa de. (2002). Análise dos parlamentares paranaenses na entrada do século XXI. Curitiba: APUFPR-SSind.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados