SOUSA, ANDRE FERNANDES DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SOUSA, André Fernandes de
Nome Completo: SOUSA, ANDRE FERNANDES DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SOUSA, ANDRÉ FERNANDES DE

SOUSA, André Fernandes de

*militar; dep. fed. RN 1951-1955; ch. Gab. Mil. Pres. Rep. 1964.

 

André Fernandes de Sousa nasceu em Pau dos Ferros (RN) no dia 30 de novembro de 1903, filho de Hipólito Cassiano de Sousa e de Francisca Fernandes de Sousa.

Estudou no Ginásio Pais de Carvalho, em Belém, antes de assentar praça em 1919 no 47º Batalhão de Caçadores, sediado em São Gonçalo (RJ).

Promovido a terceiro-sargento em maio de 1920, a segundo e a primeiro-sargento em março de 1921, cursou até o terceiro ano da Faculdade de Direito de Niterói, então capital do estado do Rio de Janeiro. Classificado no 2º Batalhão de Caçadores desde maio de 1922 e comissionado no posto de segundo-tenente, participou a partir de agosto de 1924 de operações militares de repressão aos levantes tenentistas, primeiro no Pará (entre agosto e setembro) e a partir de novembro no Paraná, onde integrou as tropas federais que lá combateram os revolucionários oriundos de São Paulo e do Rio Grande do Sul, os quais se uniram em abril de 1925 para formar a Coluna Prestes. Com a partida da coluna, seu batalhão retornou ao Rio de Janeiro em junho de 1925.

Em abril do ano seguinte ingressou na Escola Militar do Realengo, da qual saiu aspirante a oficial em janeiro de 1930. Classificado no 3º Regimento de Infantaria, do Rio de Janeiro, a partir de fevereiro, foi promovido a segundo-tenente em julho de 1930 e a primeiro-tenente em agosto do ano seguinte.

Entre julho e outubro de 1932, integrou as tropas legalistas que combateram a Revolução Constitucionalista, no destacamento comandado pelo general Manuel de Cerqueira Daltro Filho. Instrutor da Escola de Sargentos, do Batalhão-Escola e da Escola Militar a partir de dezembro de 1932, foi promovido a capitão em dezembro de 1936.

Em outubro do ano seguinte, foi posto à disposição do governo do Rio Grande do Norte, tendo exercido o cargo de chefe de polícia do estado. Em abril de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, foi designado diretor da Defesa Civil do Rio Grande do Norte, em virtude da instalação de bases estratégicas das forças aliadas no território norte-rio-grandense. Ao mesmo tempo, foi diretor regional da defesa antiaérea no estado.

Classificado desde junho de 1943 como comandante de companhia no 16º Regimento de Infantaria, sediado em Natal, em março de 1945 foi promovido a major. Estagiou na Command and General Staff School, nos EUA, entre maio e setembro de 1945, após o término da Segunda Guerra Mundial, e em março do ano seguinte ingressou na Escola de Estado-Maior do Exército, cujo curso concluiu em janeiro de 1949.

Instrutor da mesma escola depois da conclusão do curso, em outubro de 1950 elegeu-se deputado federal pelo Rio Grande do Norte na legenda da União Democrática Nacional (UDN), deixando o cargo de instrutor na Escola de Estado-Maior para assumir em fevereiro de 1951 uma cadeira na Câmara Federal.

Promovido a tenente-coronel em julho do mesmo ano, cumpriu integralmente o mandato de deputado, retornando à vida militar ao fim da legislatura (31/1/1955). Classificado no 14º Regimento de Infantaria, sediado em Socorro (SP), foi subcomandante da unidade até outubro de 1956. Promovido a coronel em agosto, assumiu o comando do 14º RI em novembro, sendo transferido em julho do ano seguinte para o gabinete do ministro da Guerra, general Henrique Teixeira Lott, onde permaneceu dois anos.

Em seguida, de julho de 1959 a outubro de 1961, foi membro do estado-maior da Junta Interamericana de Defesa, sediada em Washington e, de volta ao Brasil, chefiou o estado-maior da 1ª Divisão de Infantaria, no Rio de Janeiro, até setembro de 1962.

Oficial-de-gabinete do ministro da Guerra, general Amauri Kruel, até dezembro do mesmo ano, serviu no Escalão Avançado do ministério em Brasília a partir de março do ano seguinte, tornando-se seu comandante em junho.

Em 12 de setembro de 1963, articulou e coordenou a ação de forças do Exército contra graduados da Marinha e da Aeronáutica que se haviam rebelado na capital federal, na chamada Revolta dos Sargentos. Mobilizando o Batalhão de Guardas Presidencial, uma companhia de pára-quedistas, o Esquadrão de Reconhecimento Mecanizado e outros contingentes, promoveu o cerco no Ministério da Marinha, ocupado pelos revoltosos, apresentando-lhes um ultimato e obtendo a rendição dos rebeldes.

Promovido a general-de-brigada em 25 de novembro de 1963, nos dias que se seguiram ao movimento político-militar de março de 1964 foi nomeado (2/4/1964) chefe interino do Gabinete Militar da Presidência da República, ocupando o cargo até a posse do marechal Humberto Castelo Branco na presidência em 15 de abril.

Deixando o Escalão Avançado, exerceu o comando da 10ª Região Militar, sediada em Fortaleza, de maio de 1964 a setembro de 1965, sendo em seguida nomeado comandante da Artilharia Divisionária da 4ª Divisão de Infantaria e, no dia 5 de novembro, transferido para a reserva no posto de general-de-exército.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 18 de setembro de 1975.

Foi casado com Odete Acióli de Sousa, com quem teve três filhos.

 

 

FONTES: ARQ. MIN. EXÉRC.; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; CISNEIROS, A. Parlamentares; CORRESP. GAB. MIL. PRES. REP.; COUTINHO, A. Brasil; Jornal do Brasil (19/9/75); MACEDO, N. Aspectos; SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados