SOUSA, CLAUDIO GARCIA DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SOUSA, Claúdio Garcia de
Nome Completo: SOUSA, CLAUDIO GARCIA DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SOUSA, CLÁUDIO GARCIA DE

SOUSA, Cláudio Garcia de

*diplomata; emb. Bras. Bolívia 1971-1976; emb. Bras. Argentina 1976-1980.

 

Cláudio Garcia de Sousa nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 1º de junho de 1927, filho de Edgar Jovita Garcia de Sousa e de Odília Tarquínio Garcia de Sousa.

Bacharel em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil em 1949, iniciou nesse mesmo ano o curso de preparação para a carreira de diplomata ministrado pelo Instituto Rio Branco, do Ministério das Relações Exteriores. Enquanto universitário, foi vice-presidente da União Metropolitana de Estudantes (UME), presidente do Diretório Central de Estudantes e membro do conselho universitário da Universidade do Brasil.

Em 1950 passou a integrar o quadro de diplomatas do Ministério das Relações Exteriores (MRE) como cônsul de terceira classe. No ano seguinte fez o curso de aperfeiçoamento do Instituto Rio Branco, tornando-se chefe das seções de Administração e de Pesquisas e Publicações da mesma instituição. Ainda em 1951, participou do Programa Internacional de Estágio das Nações Unidas.

Serviu como terceiro-secretário das embaixadas do Brasil em Washington de 1952 a 1954, e em Montevidéu, de 1954 a 1956. Nesse último ano foi promovido a segundo-secretário e, como tal, permaneceu na capital uruguaia até 1958, quando passou a servir na Divisão Política do Itamarati. Transferido em 1959 para a Divisão Econômica, representou o MRE na Comissão de Reparações de Guerra e foi membro efetivo da Comissão de Estudos Relativos à Navegação Aérea Internacional (CERNAI). No ano seguinte integrou a delegação brasileira às reuniões de consulta sobre os acordos de transporte aéreo com Portugal, Inglaterra e França. Nesse mesmo ano de 1960 foi transferido para a embaixada em Bonn, na República Federal da Alemanha, onde se encontrava em 1961, quando foi promovido a primeiro-secretário.

Em 1962 tornou-se chefe substituto do Serviço de Propaganda e Expansão Comercial em Bonn. Integrou a delegação do Brasil à reunião dos subcomitês legal e científico do Comitê das Nações Unidas para Usos Pacíficos do Espaço Extraterrestre, realizada em Genebra, na Suíça, e no ano seguinte à XVIII Sessão da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque. Ainda em 1963 foi transferido para Washington. Assessor da delegação brasileira à III Conferência Interparlamentar Americana, na capital norte-americana, em 1964, no ano seguinte representou o Brasil na II Conferência Anual do Programa de Cooperação Interamericana Católica, realizada em Chicago, nos EUA. Fez ainda o curso de princípios de gerência na Universidade George Washington, em Washington. Membro da Sociedade Brasileira de Direito Aeronáutico e da Sociedade Brasileira de Geografia, participou também da XVII e da XXI sessões da Assembléia Geral da ONU.

Em 1966 passou a conselheiro e integrou a delegação do Brasil à reunião do Conselho de Ministros da Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC), em Montevidéu. Nomeado subchefe e, nesse mesmo ano, chefe interino do gabinete do ministro das Relações Exteriores, Juraci Magalhães, integrou ainda a Comissão de Promoções do Itamarati. Promovido a ministro de segunda classe em 1967, representou o Brasil na III Conferência Interamericana Extraordinária, em Buenos Aires, e foi delegado suplente do Brasil na XXII Sessão da Assembléia Geral da ONU, em Nova Iorque. Secretário-geral adjunto para Assuntos da Europa Ocidental, África e Oriente Próximo ainda em 1967, no ano seguinte tornou-se ministro-conselheiro da embaixada brasileira em Lisboa. Deixou a capital portuguesa em 1971. Em março desse ano foi designado embaixador em La Paz, na Bolívia, em substituição a Alberto Raposo Lopes. Em 1973 foi promovido a ministro de primeira classe, chefiando no ano seguinte a delegação brasileira à I Reunião da Comissão Mista Administrativa do Fundo de Desenvolvimento Brasil-Bolívia. Foi um dos responsáveis pelas negociações que culminaram em 1974 com a assinatura do chamado Acordo do Gás, entre os governos dos dois países.

Em junho de 1976 substituiu João Batista Pinheiro na embaixada brasileira na Argentina. Substituído em La Paz por Sizínio Pontes Nogueira, permaneceu em Buenos Aires até 1980, quando foi removido para Estocolmo. Antes de deixar de ser embaixador em Buenos Aires, assistiu à assinatura, em 1979, do acordo de compatibilização das usinas de Itaipu e Corpus, entre os governos do Brasil, Argentina e do Paraguai. Na capital argentina seu lugar foi ocupado por Carlos Frederico Duarte Gonçalves da Rocha. Como embaixador na capital sueca, acompanhou o rei Carlos Gustavo XVI e a rainha Sílvia, em sua visita oficial ao Brasil, em março e abril de 1984. Deixou a Suécia em 1985 e nesse mesmo ano assumiu a representação diplomática brasileira em Belgrado. Permaneceu na capital iugoslava até 1987, quando foi transferido para Berna. Removido para o Rio de Janeiro em 1990, pediu sua aposentadoria do serviço diplomático.

Em agosto de 1990 assumiu a chefia do escritório da Petrobras em Brasília e em maio de 1992 foi transferido para o Rio de Janeiro, onde passou a ser assistente de diretor da estatal. Dela afastou-se em outubro do mesmo ano. Em 1993, foi nomeado por César Maia, recém-empossado como prefeito do município do Rio de Janeiro, coordenador da Coordenadoria das Relações Internacionais e do Cerimonial do Gabinete do Prefeito, função para a qual foi renomeado por Luís Paulo Conde quando este assumiu, em 1º de janeiro de 1997, a prefeitura da cidade. Ao longo desses anos, Garcia de Sousa promoveu centenas de eventos sociais do prefeito e inúmeros órgãos municipais e incentivou a participação do Rio de Janeiro em diversas organizações municipais internacionais e nacionais. Nesse mesmo período, foram abertos no Rio de Janeiro o escritório latino-americano e caribenho do Centro das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, conhecido como Hábitat, o escritório regional de Centro Internacional para Iniciativas Ambientalistas Locais (ICLEI) e a secretaria geral regional da Associação Mundial das Grandes Metrópoles, conhecida por Metropolis. Cláudio Garcia deixou o cargo de coordenador no ano 2000.

Tornou-se consultor do Núcleo Central da Rede de Informações Tecnológicas Latino-Americana - RITLA, com sede no Rio de Janeiro.

Casou-se com Lílian Garcia de Sousa, com quem teve três filhos.

Organizou a coletânea Minha experiência diplomática (1971), relativa à trajetória de Juraci Magalhães na diplomacia brasileira.

 

FONTES: Almanaque Abril (1980); Estado de S. Paulo (24/2/76); Jornal do Brasil (24/2/76); MIN. REL. EXT. Anuário (1964 1966 e 1975); Who’s who in Brazil. INTERNET. Portal do Senado Federal disponível em www.senado.gov.br/, acessado em 29/9/09.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados