TAMURA, YUKISHIGUE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TAMURA, Yukishigue
Nome Completo: TAMURA, YUKISHIGUE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
TAMURA, Yukishigue [PRONTO]

TAMURA, Yukishigue 

* dep. fed. SP 1955-1969.

 

Yukishigue Tamura nasceu na cidade de São Paulo no dia 2 de janeiro de 1915, filho de Yoshinori Tamura e de Kino Tamura.

Realizou os estudos primários na Escola Nipo-Brasileira Taisho e no Grupo Escolar do Carmo, e os secundários no Ginásio Nossa Se­nhora do Carmo, dos irmãos maristas.

Ainda estudante, trabalhou como operário e foi professor primário no Colégio São Fran­cisco Xavier, atividade que exerceu por oito anos. Ingressando na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, estagiou na 5ª. Va­ra Criminal de São Paulo. Bacharelando-se em ciências jurídicas e sociais em 1939, exerceu a advocacia nos foros da capital e do interior e idealizou e organizou um movimento de poli­tização dos brasileiros descendentes de japo­neses, os nisseis, visando melhor integrá-los na vida política nacional.

Após o fim do Estado Novo (1937-1945), elegeu-se em janeiro de 1947 segundo suplen­te de deputado à Assembléia Constituinte de São Paulo, na legenda do Partido Democrata Cristão (PDC), não chegando a assumir o mandato. Em novembro desse mesmo ano elegeu-­se na mesma legenda vereador à Câmara Municipal de São Paulo. Empossado em 1948, par­ticipou das comissões de Estatística, de Cadastro, de Fomento Econômico, de Ruralismo e de Economia e Abastecimento da Câmara paulistana e defendeu a restituição dos bens e direitos confiscados a estrangeiros e nacionais, domiciliados ou não no Brasil, por ocasião da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Em outubro de 1950, elegeu-se deputado à Assembléia Legislativa de São Paulo, ainda na legenda do PDC. Assumindo o mandato em fevereiro de 1951, após ter deixado a Câmara Municipal de São Paulo, tornou-se segundo-­vice-presidente da Mesa da Assembléia, tendo presidido a Comissão de Indústria e Comércio e participado da Comissão de Agricultura.  Lí­der do PDC na Assembléia, rompeu com o seu partido em 1953 ingressando no Partido So­cial Progressista (PSP), agremiação a que es­tava filiado o governador paulista Lucas Gar­cez (1951-1955), seu amigo e correligionário. A exemplo do governador Lucas Garcez, ao qual permaneceu solidário, rompeu com o PSP em outubro de 1953, para ingressar no ano seguinte no Partido Social Democrático (PSD). A fim de homenagear os fundadores da  cidade de São Paulo durante as comemorações de seu quarto centenário, criou um projeto de lei, aprovado na Assembléia em 1954, que determinava a reconstrução do monumento histórico do Colégio São Paulo e da igreja ane­xa, bem como da Casa de Anchieta, destinada ao Museu Colonial. Durante o exercício de seu mandato, visitava semanalmente o interior do estado, a fim de estudar os problemas e as potencialidades econômicas de São Paulo, tendo sido um grande incentivador da cultura do algodão e da batata.

No pleito de outubro de 1954 elegeu-se de­putado federal por São Paulo apoiado por uma coligação do PSD com o Partido Republi­cano (PR), tornando-se o primeiro deputado nissei na Câmara Federal. Empossado em feve­reiro de 1955, defendeu um programa em que se destacava a defesa da implantação do regime parlamentarista, da autonomia do Dis­trito Federal, do princípio de maioria absolu­ta para as eleições do presidente da Repúbli­ca, da mudança imediata da capital do país para Goiânia (GO), das reformas agrária e elei­toral, com a adoção da cédula oficial para as eleições majoritárias e proporcionais, e de uma maior participação dos municípios na arrecadação tributária nacional. Ao longo da legislatura foi membro da Comissão de Rela­ções Exteriores da Câmara e em 1957 diplo­mou-se pela Escola Superior de Guerra (ESG).

Reeleito em outubro de 1958, com o apoio da coligação entre o PSD, o PSP e o Par­tido Social Trabalhista (PST), nessa legislatura participou da Comissão de Educação e Cultu­ra da Câmara, que elaborou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Novamente reeleito em outubro de 1962, dessa vez na legenda da coligação do PSD com o PSP, com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº. 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bi­partidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar instaurado no país em abril de 1964, em cuja legenda se reelegeu mais uma vez no pleito de novembro de 1966. Em dezembro de 1968 votou contra o pedido de licença à Câmara para que fosse processado o deputado Márcio Moreira Alves, do Movi­mento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar, tendo seu mandato cassado pelo Ato Institucional nº. 5 (13/12/1968) em janeiro de 1969. Durante sua vida parlamentar lutou sempre pelo fortalecimento do intercâmbio cultural, técnico, comercial e financeiro entre o Brasil e o Japão.

Ingressando posteriormente no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), foi candidato à Câmara Municipal de São Paulo nas eleições de novembro de 1976. Eleito, assumiu o mandato em janeiro do ano seguinte. Com o fim do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), legenda sucessora da Arena. Deixou a Câmara dos Vereadores em janeiro de 1983, ao final da legislatura. Abandonando a vida pública, ingressou, juntamente com sua esposa, na Ordem Terceira Franciscana Secular.

Foi o idealizador das Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (Usiminas), obra construída em Ipatinga (MG) mediante a colaboração téc­nica e financeira do Japão, e do Plano Tamu­ra, que consistia em obter dos Estados Unidos o perdão da dívida de guerra do Japão, esti­mada em US$ 490 milhões, sob condi­ção de que ela fosse aplicada no Brasil e de­mais países da América Latina sob a forma de investimentos, de financiamentos ou de obras educacionais.

Jornalista, pertenceu à Associação dos Di­plomados da Escola Superior de Guerra (Adesg), ao Instituto Cultural Brasil-Japão, à Sociedade Geográfica Brasileira e à Ação De­mocrática Popular.

Casou-se em primeiras núpcias com Ikuyo Tamura, com quem teve um filho e em segundas núpcias com Hanna Tamura.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1963-1967 e 1967-1971); COUTINHO, A. Brasil; Eleitos; Estado de São Paulo (23/9/76); Grande encic. Delta; INF. BIOG.; SOC. BRAS.  EXPANSÃO COMERCIAL. Quem; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1, 2, 3, 4, 6 e 8).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados