VANNUCHI, Paulo

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VANNUCHI, Paulo
Nome Completo: VANNUCHI, Paulo

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VANUQUI, Paulo de Tarso

VANNUCHI, Paulo

*min. Direitos Humanos 2005-

 

 Paulo de Tarso Vannuchi nasceu em São Joaquim da Barra (SP) no dia 15 de maio de 1950, filho de Ivo Vannuchi e de Maria da Penha Vannuchi. Seu primo, Alexandre Vannuchi Leme, foi líder do movimento estudantil, integrante da Ação Libertadora Nacional (ALN), preso e morto pelo regime militar instaurado no país em 1964. Em sua homenagem, o Diretório Central de Estudantes da Universidade de São Paulo (USP) adotou seu nome.

Fez os estudos secundários em São José do Rio Pardo (SP) e foi o primeiro lugar em concurso estadual de estudantes secundaristas sobre a obra do escritor Euclides da Cunha. Cursou a medicina na Universidade de São Paulo (USP) entre os anos de 1969 e 1971, mas não chegou a concluir o curso. Secretário do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz entre 1969 e 1970, fez oposição ao regime militar e foi preso em 1971, tendo sido um dos 34 signatários do dossiê entregue em 1975 ao presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Caio Mário da Silva Pereira, que listou os nomes de 233 torturadores, descreveu os métodos de tortura, as unidades onde eram praticadas e apresentou uma lista geral dos assassinados desde 1964. Libertado em 1976, no ano seguinte foi um dos fundadores do Centro de Educação Popular do Instituto Sedes Sapientiae, a que permaneceria ligado até 1985.

Nesse período fez também diversos cursos e palestras, prestou assessoria política à Comissão Pastoral da Terra, à Comissão Pastoral Operária, às Comunidades Eclesiais de Base, a lideranças políticas, a religiosos e a bispos em vários estados brasileiros, tais como Pará, Maranhão, Goiás, Ceará, Piauí, Bahia, Pernambuco, Paraíba, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Em 1980, formou-se em jornalismo na Escola de Comunicação e Artes da USP. Nesse mesmo ano participou do projeto de pesquisa Brasil Nunca Mais, um levantamento das torturas e assassinatos praticados pelos organismos de repressão política durante os anos do regime militar que seria publicado em 1985.

Um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT), em 1981 tornou-se assessor político de Luís Inácio Lula da Silva, presidente da agremiação. Em 1983 tornou-se assessor parlamentar da Câmara dos Vereadores de São Paulo e no ano seguinte, aprovado em concurso, passou a integrar o quadro de funcionários dessa Casa. Nesse período foi também assessor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Em 1986, foi um dos coordenadores da campanha de Luís Inácio Lula da Silva para deputado federal constituinte por São Paulo. Em 1988 foi um dos fundadores do Instituto Cajamar, ao lado de Lula, Jair Meneguelli, Vicentinho, Paulo Freire, Florestan Fernandes, Francisco Weffort, Antônio Candido, Valter Barelli e Perseu Abramo, entre outros, e a partir de então integrou seu corpo docente até 1991.

Na campanha para a eleição presidencial de 1989, a primeira a ser realizada pelo voto direto após o golpe militar de 1964, novamente assessorou Luís Inácio Lula da Silva, candidato do PT. Foi também um dos responsáveis pela edição e publicação dos cadernos Brasil Urgente. Após a derrota de Lula para Fernando Collor no segundo turno, quando o PT decidiu montar um “governo paralelo” – com a nomeação de “ministros” responsáveis pela formulação de propostas alternativas às do governo nas principais áreas da política nacional, em expediente semelhante ao utilizado por oposições em regimes parlamentaristas –, foi designado secretário-executivo.

Em 1991, tornou-se um dos integrantes do Instituto Cidadania, organização não governamental ligada ao PT. Posteriormente, ocuparia os cargos de secretário, presidente, tesoureiro, vice-presidente e coordenador-executivo dessa organização. No Instituto Cidadania, contribuiria com a redação de projetos sobre temas como segurança pública, energia elétrica, Amazônia, semiárido nordestino, segurança alimentar, entre outros. Também se envolveria na coordenação de diversos projetos, como o da Reforma Política, entre 2001 e 2002, o da Juventude, 2003 e 2004, e o de Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Local.

Na campanha presidencial de 1994 foi secretário-executivo da coordenação do programa de governo de Lula e secretário-executivo da coordenação nacional da campanha. Foi um dos coordenadores dos seminários “Socialismo e Democracia”, realizados em São Paulo entre 2000 e 2001. Nesse último ano, obteve o título de mestre em ciência política na USP e tornou-se membro do conselho de redação da revista Teoria e Debate, função que exerceria até 2005.

Ocupou mais uma vez o cargo de secretário-executivo da campanha de Lula em 2002. Com a vitória deste, em dezembro de 2005 foi nomeado ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH). À frente da SEDH, provocou grande polêmica ao propor a rediscussão da Lei da Anistia, que fora publicada em 1979 e apontada por especialistas como um marco do processo de democratização do Brasil. Em sua crítica à lei, sustentou que os crimes de tortura cometidos pelos partidários do regime militar não deveriam ser por ela enquadrados, uma vez que eram imprescritíveis pelos tratados internacionais, portanto passíveis de punições. Em 2007, a SEDH lançou o documento “Direito à memória e à verdade”, elaborado pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos.

Casado com Maria Beatriz Costa Carvalho Vannuchi, teve quatro filhos.

Publicou inúmeros livros e capítulos de livros, entre os quais se destaca o texto final do livro Brasil nunca mais (1985). Escreveu ainda artigos em revistas do PT, publicações sindicais e de formação política.

 

Adrianna Setemy

 

FONTES: Portal Forum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos (14/12/05). Disponível em : <http://www.direitos.org.br/index.php?option=com_content&task=vi ew&id=658&Itemid=2>; Portal Presidência da República – SEDH. Biografia. Dis- ponível em : <http://www.presidencia.gov.br/ estrutura_presidencia/sedh/ministro>; SCOLESE, E. ; CONSTANTINO, L. Ex-preso político.

 

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados