WANDERER, WERNER

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: WANDERER, Werner
Nome Completo: WANDERER, WERNER

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
WANDERER, Werner

WANDERER, Werner

*dep. fed. PR 1991-2003.

 

Werner Wanderer nasceu em Concórdia (SC) no dia 15 de fevereiro de 1939, filho de Alfredo Wanderer e de Anita Wanderer.

Agricultor e empresário, iniciou sua carreira política em novembro de 1964, quando elegeu-se prefeito de Marechal Cândido Rondon (PR), na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Empossado em fevereiro de 1965, no ano seguinte, em virtude da edição do Ato Institucional nº 2 (AI-2) em 27 de outubro de 1965 que extinguiu os partidos políticos existentes e implantou o bipartidarismo no país ingressou na Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar instalado no país em abril de 1964. Em novembro de 1970, após concluir o mandato na prefeitura de Cândido Rondon, disputou uma cadeira na Assembléia Legislativa do Paraná, pela legenda da Arena, não obtendo sucesso.

Eleito deputado estadual pela Arena em novembro de 1974, assumiu o mandato na Assembléia Legislativa do Paraná em fevereiro do ano seguinte. Nesta legislatura, foi presidente das comissões de Polícia e de Indústria e Comércio e vice-líder do governo de 1977 até 1978. Reeleito deputado estadual em novembro deste último ano, tomou posse em fevereiro de 1979. Permaneceu na Arena até a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e, com a conseqüente reformulação partidária, ingressou no Partido Democrático Social (PDS), tendo sido vice-líder na mesa da Assembléia Legislativa.

Em novembro de 1982, elegeu-se pela terceira vez consecutiva deputado estadual, na legenda do PDS. Empossado em fevereiro de 1983, dois anos depois, em 1985, deixou o PDS e filiou-se ao Partido da Frente Liberal (PFL). Nesta legislatura foi presidente das Comissões de Agricultura e de Turismo. Eleito em novembro de 1986 deputado estadual constituinte atuou nos trabalhos legislativos como presidente das comissões de Orçamento, Direitos Humanos e da Tomada de Contas. Foi ainda vice-líder do PFL de 1987 a 1988.

Deixou a Assembléia Legislativa em 1990, ano em que disputou, no mês de outubro, uma cadeira à Câmara dos Deputados na legenda do PFL. Eleito, foi empossado em fevereiro de 1991. Membro das comissões de Agricultura e Política Rural e de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, integrou também a comissão especial sobre o projeto de emenda constitucional que alterava o art. 29; de Defesa Nacional, a comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre a Companhia Nacional de Abastecimento e a Comissão Mista (Câmara e Senado) de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização.

Em 29 de setembro de 1992, foi um dos 441 deputados que votaram a favor da abertura de processo de impeachmentcontra o presidente da República, Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade durante o funcionamento da CPI instaurada no Congresso Nacional para investigar denúncias de corrupção contra Paulo César Farias, ex-tesoureiro de sua campanha presidencial. Afastado da presidência após a votação na Câmara, Collor acabou renunciando ao mandato em 29 de dezembro seguinte, antes mesmo da aprovação de sua cassação pelo Senado Federal. Foi substituído na chefia do Executivo pelo vice Itamar Franco, que já vinha exercendo a função interinamente desde 2 de outubro.

Prevista para esta legislatura, a revisão da Constituição de 1988 acabou não acontecendo e poucas alterações na Carta foram aprovadas. Entre outras votações, Wanderer foi favorável ao fim do voto obrigatório e à criação do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) e do Fundo Social de Emergência (FSE), concebidos como fontes de financiamento para o plano de estabilização econômica do governo, batizado de Plano Real. Aprovados com o apoio da bancada governista, o IPMF e o FSE seriam sucessivamente prorrogados na legislatura seguinte, contando sempre com o voto de Wanderer.

No pleito de outubro de 1994, tendo como base eleitoral Marechal Cândido Rondon e outros municípios do oeste paranaense, foi reeleito deputado federal pelo PFL. Empossado em fevereiro de 1995, foi titular das comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática e de Defesa Nacional. Durante o processo de reforma constitucional ocorrido nesse ano, caracterizou-se pela fidelidade às orientações governistas, votando a favor da abertura da navegação de cabotagem às embarcações estrangeiras, da revisão do conceito de empresa nacional, da abolição do monopólio estatal nas telecomunicações, na exploração do petróleo e na distribuição do gás canalizado pelos governos estaduais, e da prorrogação do Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), antigo FSE.

Em 1996, tornou-se primeiro-vice-presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle e membro titular da Comissão de Defesa Nacional. Na sessão de 24 de julho, votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), sucessora do IPMF.

Em fevereiro de 1997, pronunciou-se favoravelmente à emenda que instituiu a possibilidade de reeleição para os ocupantes de cargos executivos (prefeitos, governadores de estado e presidente da República) e, em novembro seguinte, foi também favorável ao destaque ao projeto de reforma administrativa do governo que instituiu a possibilidade de demissão no serviço público por insuficiência de desempenho ou por excesso de gastos com pessoal. Também durante este ano integrou a Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Membro titular da Comissão de Orçamento em 1998, em novembro posicionou-se favoravelmente à adoção de um limite máximo para as aposentadorias do setor público e à instituição da idade mínima e do tempo de contribuição como critério nas concessões dos benefícios para os trabalhadores da iniciativa privada.

No pleito de novembro de 1998 reelegeu-se para seu terceiro mandato consecutivo de deputado federal pelo PFL com 55.009 votos. Tomou posse em fevereiro de 1999 e, neste mesmo ano, foi presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Alemanha e da Frente Parlamentar de Apoio à Educação a Distância reunindo setenta e cinco deputados e senadores. Como resultado dos trabalhos da frente, em agosto de 2000 foi instituída pelo ministério da Educação e Cultura (MEC) a Universidade Virtual Pública do Brasil (UniRede), englobando todas as universidades públicas do país, federais, estaduais e municipais.

Ainda nessa legislatura foi um dos líderes nacionais da Frente Parlamentar da Agricultura participando ativamente das articulações que redundaram na implantação do Programa de Resecuritização, que possibilitou aos agricultores renegociar e saldar suas dívidas de longo prazo. Nesse período, tornou-se membro da Comissão Executiva do PFL tendo sido ainda vice-líder do bloco parlamentar formado pelo PFL e pelo Partido Social Trabalhista (PST) entre os anos de 2001 e 2002. Votou também favorável ao fim dos juízes classistas, à recriação da CPMF, às restrições à reedição de Medidas Provisórias, à quebra de sigilo bancário para os acusados de crime de corrupção, e contra a proibição do nepotismo.

No pleito de outubro de 2002 candidatou-se para um novo mandato de deputado federal pelo PFL obtendo apenas 53.380 votos e ficando apenas com uma suplência. No ano seguinte, após o término de seu mandato em fevereiro de 2003, assumiu a chefia do escritório da Câmara Brasil-Alemanha inaugurada em abril do mesmo ano em Brasília e não concorreu a nenhum cargo legislativo desde então. Permaneceu filiado ao PFL e continuou a exercer suas atividades empresariais na região de Cândido Rondon no Paraná.

Casou-se com Maria Elisabete Wanderer, com quem teve três filhos.  

Ednílson Cruz/Márcia de Sousa

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995 e 1995-1999); Folha de S. Paulo (Especial 6/11/98); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97 e 5/2/98); Olho no voto/Folha de S. Paulo (18/9/94 e 29/9/98); Perfil parlamentar/IstoÉ; http://www2.camara.gov.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.tse.gov.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.wernerwanderer.com.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.ahkbrasil.com/  (último acesso em 12/12/2009).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados