COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE (CEBS)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE (CEBs)
Nome Completo: COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE (CEBS)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE (CEBS)

COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE (CEBs)

As comunidades eclesiais de base (CEBs) são organismos da Igreja Católica que se caracterizam por: (a) celebração dominical realizada por leigos ou leigas; (b) ampla participação na tomada de decisões, geralmente por meio de assembléias; e (c) ligação entre a reflexão bíblica e a ação na sociedade.

Antecedentes

O período de preparação do Concílio Vaticano II (c. 1960) favoreceu as iniciativas que buscavam uma estrutura eclesial mais adequada ao diálogo com o mundo moderno do que a paróquia, organismo medieval no qual todas as funções religiosas recaíam sobre o padre. Nesse contexto, as “pequenas comunidades” pareciam ser o meio mais favorável à participação leiga na Igreja e à sua influência na sociedade urbana e industrial. Em 1968 a II Conferência dos Bispos da América Latina, reunida em Medellín Colômbia, propôs a Comunidade Eclesial de Base (CEB) como seu principal instrumento pastoral, ligando a forma comunitária à opção preferencial pelos pobres. Formulou‑se então a Teologia da Libertação que, retomando experiências ensaiadas desde os anos 1950-1960 na Ação Católica, no Movimento de Educação de Base e em outros setores renovadores da Igreja, inclusive em denominações protestantes, fundamentava uma ação pastoral comprometida com as causas populares.

Desenvolvimento

As CEBs nasceram numa conjuntura sociopolítica marcada pelo regime militar autoritário e pelo conseqüente fechamento dos canais de participação política. Reagindo contra ele em nome dos direitos humanos, a Conferência Nacional do Bispos do Brasil (CNBB) deu cobertura institucional às CEBs e às pastorais (Indigenista, da Terra, Operária, da Juventude), mais sujeitas à repressão policial militar. Assim, nos anos 1970 e no início da década seguinte muitos setores sociais encontraram nas CEBs seu espaço de atuação política, embora elas não deixassem de ser espaços propriamente religiosos.

As CEBs se formaram, de modo geral, em regiões cuja população não era freqüentemente atendida pelo padre. Dadas as grandes extensões territoriais ou demográficas de muitas paróquias rurais e de periferia urbana, a Igreja Católica passou a estimular leigos e leigas a assumirem por si mesmos os serviços religiosos em sua comunidade. Ocupando uma posição de liderança religiosa, essas pessoas tenderam a assumir também um lugar de destaque no sistema de poder local. Inspirados por uma leitura libertadora da Bíblia que fala do Reino de Deus já na História, os membros das CEBs procuraram realizá‑lo atuando em movimentos sociais, associações de moradores, sindicatos e partidos políticos, assumindo normalmente posições que podem ser caracterizadas como de esquerda pela valorização do igualitarismo, da democracia direta e da utopia socialista, o que explica a afinidade de muitos de seus membros com o Partido dos Trabalhadores (PT), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Central de Movimentos Populares.

A partir de 1979, início do pontificado de João Paulo II, ganhou força o movimento restaurador que, controlando a Cúria romana, favoreceu os setores do episcopado que preferiam ver a Igreja distante dos movimentos populares e voltada unicamente para as atividades de culto e catequese. Desde então, as CEBs vêm perdendo sua caixa de ressonância na sociedade: a voz dos bispos e teólogos oficiais. Continuaram, contudo, ativas em seu trabalho de base, organizando grupos que unem a fé cristã à atuação sociopolítica na comunidade local. Têm hoje menor visibilidade social e menor influência institucional do que nos anos 1980, mas não deixaram de formar lideranças populares atuantes em movimentos sociais, sindicais, políticos e culturais.

Organização

Grupos locais cujo alcance confunde‑se normalmente com a vizinhança ampliada (bairro, vila ou morro nas periferias urbanas; vilarejo, patrimônio ou colônia na zona rural), as CEBs não seguem um modelo fixo, amoldando‑se a diferentes contextos socioculturais. Em periferias urbanas podem congregar mais de mil famílias, com inúmeros pequenos grupos: de reflexão bíblica; de liturgia, catequese e outros serviços, grupos específicos (de vizinhos, jovens, mulheres, operários, negros...) e ainda associações piedosas ou caritativas. Já nas zonas rurais costumam ser pequenas e de pouca diversificação interna.

Embora faltem dados estatísticos precisos, pode‑se estimar em cerca de 60 a 80 mil (dez vezes o número de paróquias) as CEBs hoje espalhadas pelas quase 250 dioceses do Brasil. Dada sua condição de unidades básicas da Igreja e espaço para a celebração dos sacramentos, elas subordinam‑se ao bispo local. Não se confinam, contudo, ao âmbito diocesano: uma ampla rede de relações coloca-as em interação e evita seu isolamento. A trama mais importante dessa rede é constituída pelos encontros intereclesiais, iniciados em 1975 e realizados a cada três ou quatro anos. A cada encontro é proposta uma temática específica para ser debatida em nível local, diocesano e regional em preparação ao encontro nacional, sempre usando o método “ver/julgar/agir/avaliar”. Tal método obriga que se tome como ponto de partida a experiência das comunidades, produzindo‑se então uma afinidade fundada no consenso em torno de certas práticas pastorais e sociais — é o que se chama “caminhada”. Sendo livre a adesão a esse consenso, ele permite diferenças entre as comunidades plenamente identificadas com a pastoral libertadora e as que dela se distanciam.

A rede das CEBs não tem dirigentes ou organismos coordenadores. Aliás, elas não têm estatuto jurídico, embora sejam oficialmente reconhecidas pela CNBB e por documentos pontifícios. Sua articulação se dá de modo informal, no próprio processo de preparação de cada encontro intereclesial. Uma equipe local funciona como secretaria executiva, enquanto um grupo de representantes regionais funciona como instância deliberativa nacional. Ambas contam com a participação de bispos e assessores teológicos que asseguram sua ligação com outras instâncias eclesiásticas. Organização análoga ocorre nos níveis regionais e nas dioceses, onde os representantes das bases locais formam equipes encarregadas de promover seus encontros, sem, contudo, interferir no cotidiano de cada comunidade, autônoma por natureza.

Essa organização, contrastante com a estrutura medieval e monárquica do catolicismo romano, foi definida em documento da CNBB como uma nova forma de ser Igreja. Sua originalidade reside no fato de que, ao realizarem as atividades pastorais habituais de modo popular e participativo, as CEBs rompem a relação clerical e introduzem na Igreja Católica um outro modo de agir. Na medida em que essa forma peculiar de ação social desdobra‑se para fora delas, as CEBs passam a contribuir também para a renovação do cenário sociopolítico brasileiro, incorporando‑lhe a prática participativa e igualitária desenvolvida a partir da experiência comunitária nas bases populares.

Pedro A. Ribeiro de Oliveiracolaboração especial

FONTES: BOFF, C. Comunidades; BOFF, L. Eciesiogênese; CNBB. Comunidades; TEIXEIRA, F. Encontros.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados