INSTITUTO BRASILEIRO DE SIDERURGIA (IBS)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: INSTITUTO BRASILEIRO DE SIDERURGIA (IBS)
Nome Completo: INSTITUTO BRASILEIRO DE SIDERURGIA (IBS)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
INSTITUTO BRASILEIRO DE SIDERURGIA (IBS)

INSTITUTO BRASILEIRO DE SIDERURGIA (IBS)

Sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em 31 de maio de 1963 na cidade de São Paulo. Em julho de 1967, a secretaria geral do instituto foi transferida para o Rio de Janeiro. Em julho de 1969, a sede passou a ser oficialmente na cidade do Rio de Janeiro e nesse mesmo mês, através do Decreto nº 64.984, foi declarado de utilidade pública. Em 2009 alterou a sua denominação e passou a ser chamar Instituto Aço Brasil.

Foi o professor Robert Franklin Mehl, membro da Comissão Brasil-Estados Unidos, quem primeiro sugeriu a criação de uma instituição nos moldes do American Iron and Steel Institute. Em 1959, criou-se o Instituto Latinoamericano del Fierro y del Acero (ILAFA), cujo primeiro presidente foi um brasileiro, o general Edmundo de Macedo Soares e Silva. Em 1961, as empresas brasileiras desligam-se do ILAFA em represália à escolha da cidade de Santiago do Chile como sede do instituto. Ao mesmo tempo, organiza-se no Brasil um comitê executivo para estudar a criação de uma associação siderúrgica, que veio a ser o IBS. Em abril de 1964, o IBS contava com 37 associados entre membros titulares e afiliados.

O objetivo do IBS é congregar e representar as empresas siderúrgicas brasileiras, defender seus interesses e promover seu desenvolvimento. No cumprimento dessas atribuições o IBS realiza estudos e pesquisas relacionados a produção, equipamentos e tecnologia, matérias-primas e energia, meio ambiente, tendências de mercado, novas aplicações do aço e relações industriais; coleta dados, prepara e divulga estatísticas; coordena a normalização de produtos; desenvolve programas e políticas definidos pelo setor; atua como representante setorial junto a órgãos e entidades públicas e privadas no país e no exterior; realiza atividades de relações públicas e mantém contato com entidades afins no exterior.

A primeira diretoria do instituto, eleita em 1963, teve como presidente o almirante Lúcio Meira, como vice-presidente o general Edmundo de Macedo Soares e Silva, como primeiro-secretário Roberto Nami Jafet, como segundo-secretário Cássio Humberto Lanari, como primeiro-tesoureiro Luís Dumont Vilares e, como segundo-tesoureiro, Paulo Silveira Martins Leão. De acordo com os estatutos de 1966, a diretoria passou a ser constituída de cinco diretores sem designação especial além do presidente e do vice-presidente.

Embora o estatuto do IBS coloque como uma de suas diretrizes o princípio da livre iniciativa, desde sua criação até 1993 o instituto congregou empresas siderúrgicas estatais e privadas e dividiu suas diretorias entre representantes dos dois setores. Também é notável a grande continuidade nas suas diretorias, existindo inclusive a prática de ascender ao cargo de presidente o vice-presidente da gestão anterior.

No governo Geisel o IBS se destacou como porta-voz do setor siderúrgico, sobretudo das empresas privadas, criticando algumas das diretrizes estipuladas pelo Consider para orientar os planos de expansão da produção siderúrgica. Em 1981, as empresas siderúrgicas privadas resolveram criar uma associação exclusiva para melhor defender seus interesses, a Associação de Siderurgia Privada (ASP). Apesar da criação da ASP as empresas privadas não se afastam do IBS. Com o término do programa de privatização das empresas siderúrgicas estatais em 1993, essa divisão perdeu o sentido e ocorreu, então, a fusão da ASP e do IBS, mantendo-se a sigla mais tradicional.

nas últimas décadas, acompanhando a concentração que se tem verificado no setor siderúrgico nacional o IBS vem passando por uma redução no número de empresas associadas.  Em 1997 o Instituto tinha 20 empresas associadas, no ano de 2009 são 13, mas essa redução não significava perda de importância econômica e política, já que as 13 associadas representavam grandes grupos que comandam as principais usinas siderúrgicas do país.

Entre as atividades de destaque do IBS ao longo de sua história, destacam-se a elaboração das normas técnicas na área da siderurgia, em convênio com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e com a Associação Brasileira para o Desenvolvimento das Indústrias de Base (ABDIB); e os serviços de assessoria à Carteira de Comércio Exterior (Cacex) do Banco do Brasil e à Secretaria de Comércio Exterior (Secex), visando a assegurar a proteção à indústria nacional e os seus interesses no comércio exterior. No mesmo sentido, o IBS participou de convênios com os países-membros do Mercosul e da Associação Latino-Americana de Desenvolvimento e Intercâmbio (ALADI).

Em 2008 o IBS entrou na justiça federal contra o projeto de construção da usina da Ceará Steel, uma parceria entre a coreana Dongkuk, a Petrobrás e o governo do estado do Ceará. A nova usina usaria o gás natural fornecido pela Petrobrás como combustível.  Segundo o IBS o fornecimento subsidiado do combustível poderia levar o Brasil a ser denunciado na OMC, especialmente porque a usina do Ceará estaria voltada principalmente para as exportações.  Por esta posição, alguns políticos do Ceará acusaram o instituto de estar trabalhando contra o desenvolvimento regional e a favor dos oligopólios siderúrgicos instalados no país. O projeto da Usina de Pacém, no Ceará foi reformulado, a usina projetada utilizaria carvão mineral, a mudança pacificou a divergência e a partir daí o IBS passou a apoiar a iniciativa.

O IBS compila e divulga informações estatísticas sobre o setor siderúrgico, através do Centro de Informações Siderúrgicas, constituindo-se em fonte oficial para órgãos públicos, como os ministérios do Planejamento, da Fazenda, o BNDE e o Banco do Brasil. Suas estatísticas também são utilizadas pela imprensa especializada e por pesquisadores. Para divulgar essas informações, o IBS edita uma série de publicações, como o Anuário estatístico da indústria siderúrgica, Siderurgia em números, Mercado brasileiro de aço, Estatísticas da siderurgia, Investimentos na siderurgia, A siderurgia brasileira, Siderurgia do amanhã e Informe da siderurgia.

Em 2009, o instituto era presidido por Flávio Roberto Silva de Azevedo, tendo como vice-presidente André Bier Gerdau Johannpeter.  No mesmo ano o instituto mudou sua denominação e passou a ser chamar Instituto Aço Brasil.

Alzira Alves de Abreu/Sydenham Lourenço Neto

 

 

FONTES: LOURENÇO NETO, S. Estado; MEIRELES, H. 25; Rev. Inst. Bras. Siderurgia (1971-1975); Siderurgia, SP (5/71, 4/72, 3/73 e 4/74).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados