INSTITUTO LIBERAL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: INSTITUTO LIBERAL
Nome Completo: INSTITUTO LIBERAL

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
Instituto Liberal

INSTITUTO LIBERAL

 

Instituto fundado pelo empresário Donald Stewart Jr. em janeiro de 1983, no Rio de Janeiro. Constituído como uma sociedade sem fins lucrativos, o Instituto Liberal (IL) tem sido mantido por doações e patrocínios de pessoas físicas e jurídicas. Seus estatutos estabeleceram um conselho de mantenedores como órgão supremo e não permitiram qualquer vinculação político-partidária de seus associados.

O Instituto Liberal foi criado com a finalidade de promover a pesquisa, a produção e a divulgação de idéias, teorias e conceitos relativos ao liberalismo. As idéias liberais podem ser sintetizadas nos seguintes princípios: crença nas vantagens de uma sociedade baseada na democracia representativa, na economia de mercado e na máxima descentralização do poder. Para os liberais, a sociedade deve ser estruturada de acordo com os princípios da livre iniciativa, da propriedade privada, do lucro e da responsabilidade individual.

Para divulgar as idéias liberais, o IL traduziu e publicou obras referentes ao assunto, até então raras no país. Suas duas primeiras publicações foram as traduções de O caminho da servidão e Direito, legislação e liberdade, de Friedrich Hayek (Prêmio Nobel de Economia em 1974).

Nos primeiros anos de funcionamento, constatou-se que era preciso regionalizar a ação para ampliar o número de mantenedores e diversificar as formas de atuação. Desse modo, foram criados Institutos Liberais nos estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia e Ceará e em Brasília.

A partir da criação de institutos estaduais foi estabelecido um conselho nacional dos Institutos Liberais. Ficou acordado que todos teriam o mesmo nome – Instituto Liberal – e o mesmo estatuto.

Os Institutos Liberais estaduais são financiados por mantenedores locais, desenvolvendo atividades como publicações de livros e jornais, programas de rádio e televisão, e cursos de aperfeiçoamento de professores.

Entre os diversos mantenedores estão empresas como: Amil Assistência Médica Internacional, Arno, Banco Bamerindus, Banco Bozano Simonsen, Banco Fenícia, Bombril, Bradesco, Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga, Companhia Antártica Paulista, Citibank, Companhia Nestlé Indústria e Comércio, Construtora Noberto Odebrecht, Eucatex Indústria e Comércio, Indústrias Gradiente, Rhodia, Indústrias Votorantim, White Martins, TV Globo, Unibanco Corretora de Seguros, Varig, Vasp e Xerox do Brasil.

O IL atraiu inicialmente empresários de vários estados que encontraram afinidades com o liberalismo, tais como Jorge Gerdau Johannpeter (RS), Jorge Simeira Jacob (SP), Roberto Bornhausen (SP), João Pedro Gouvêa Vieira Filho (RJ), Sérgio Andrade de Carvalho, Winston Ling (RS), entre outros. No entanto, o Instituto Liberal não ficou restrito a um grupo de empresários. O pensamento liberal atraiu pessoas com profissões variadas, incluindo economistas, advogados, professores, jornalistas, médicos, estudantes, que se associaram ao IL.

A partir de 1989, o Instituto Liberal passou a oferecer cursos de economia e filosofia política, de extensão cultural, além de palestras e seminários sobre a situação econômica, social e política contemporânea. Nesse mesmo ano, o IL de São Paulo, com o apoio das empresas do Grupo Fenícia, criou o Prêmio Fenícia de Imprensa para trabalhos jornalísticos que divulgassem os princípios da economia de mercado e da democracia representativa.

Em 1990, o IL lançou a publicação mensal Notas, que tem procurado analisar projetos de lei e dispositivos constitucionais sob o prisma do liberalismo. A publicação é enviada a deputados e senadores, visando acompanhar as discussões em pauta dos congressistas. Nesse sentido, Notas já dedicou alguns de seus números aos seguintes assuntos: a Constituição brasileira e o estado de direito, lei de diretrizes e bases da educação nacional, propostas de emendas constitucionais, reforma fiscal, a revisão constitucional, o monopólio da Petrobrás, entre outros.

No ano seguinte, em 1991, o Instituto Liberal deu início à série Políticas alternativas, com um trabalho sobre a previdência social. Posteriormente, foram publicados trabalhos sobre educação, saúde, capital estrangeiro, política industrial, energia elétrica, Mercosul, entre outros. A série foi elaborada como uma edição anual de quatro documentos, procurando desenvolver estudos referentes a problemas brasileiros em diferentes áreas.

Ainda em 1991, entrou no ar a Rádio livre, programa de rádio veiculado por 49 emissoras do interior de São Paulo e de vários estados do país.

Entre 1990 e 1992, o Instituto Liberal do Rio Grande do Sul passou a apresentar para todo o estado o programa de televisão O Rio Grande questiona. O programa entrevistou lideranças empresariais, políticas, sindicais e governamentais e as questões debatidas buscavam uma solução de cunho liberal.

Em 1993, o Instituto Liberal de São Paulo promoveu a Semana da Cidadania, no parque Ibirapuera. O projeto contou com a participação de 114 entidades civis de trabalho voluntário, grupos culturais e órgãos governamentais. A programação reuniu estandes para a prestação de serviços, apresentações culturais e palestras proferidas no “Fórum da cidadania”. Foram publicadas sete “cartilhas da cidadania”, distribuídas durante o evento. Após a realização do projeto foi constituído o Fórum Permanente da Cidadania.

Nos últimos dez anos, foram proferidos com o patrocínio do Instituto Liberal mais de quinhentas conferências e seminários em todo o país. Entre os palestrantes estiveram políticos e economistas, tais como: Antônio Delfim Neto, Francisco Dornelles, Gustavo Krause, Maílson da Nobrega, Marcílio Marques Moreira, Márcio Moreira Alves, Osíris Silva, Nelson Jobim, Roberto Campos, James Buchanan (Prêmio Nobel de Economia em 1986), Israel Kirzner e Jesus Huerta de Soto (ambos da chamada escola austríaca de economia).

Ao longo desses anos, o Instituto Liberal do Rio de Janeiro reuniu inúmeras obras e publicações, formando a biblioteca Ludwig von Mises especializada em literatura liberal. Até 1997, o IL contava com mais de setenta publicações próprias, entre traduções e trabalhos especializados referentes ao liberalismo.

 

Márcia de Paiva

 

FONTES: ENTREV. ARTUR CHAGAS DINIS; INST. LIBERAL. Instituto;

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados