JUVENTUDE ESTUDANTIL CATOLICA (JEC)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: JUVENTUDE ESTUDANTIL CATÓLICA (JEC)
Nome Completo: JUVENTUDE ESTUDANTIL CATOLICA (JEC)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
JUVENTUDE ESTUDANTIL CATÓLICA (JEC)

JUVENTUDE ESTUDANTIL CATÓLICA (JEC)

 

Associação civil católica reconhecida nacionalmente pela hierarquia eclesiástica em julho de 1950 como setor da Ação Católica Brasileira (ACB) encarregado de difundir os ensinamentos e a doutrina da Igreja junto aos estudantes de nível secundário. Desapareceu em 1966, quando a nova orientação firmada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) levou ao esvaziamento da ACB e de seus ramos especializados.

Logo após a criação da ACB, em 1935, começaram a se formar grupos especializados de atuação nos meios estudantil e operário na diocese do Rio de Janeiro e, posteriormente, nas mais importantes dioceses do país.

A organização em nível nacional da JEC, da Juventude Operária Católica (JOC) e da Juventude Universitária Católica (JUC) só se tornou possível, porém, após as reformulações sofridas pela ACB a partir de 1942, ano do falecimento de seu criador, o cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro dom Sebastião Leme da Silveira Cintra.

No ano de 1950, a ACB finalmente modificou seus critérios de organização do laicato, adotando o modelo belga e francês, que reduzia a importância das dioceses e valorizava a formação em nível nacional de grupos ligados aos diversos meios sociais.

No decorrer da década de 1950, o objetivo básico dos ramos estudantis da ACB — a JEC e a JUC — foi a difusão da doutrina da Igreja no meio escolar e universitário. No início da década de 1960, porém, as duas organizações desenvolveram uma formulação ideológica bastante distinta da anterior. Acreditando na necessidade de mudanças estruturais na sociedade, as duas entidades procuraram ter uma participação mais ativa, dedicando-se ao recrutamento de trabalhadores para os sindicatos e vinculando-se a movimentos como o Movimento de Educação de Base (MEB) e as ligas camponesas. Vários membros da hierarquia eclesiástica opuseram-se ao novo caráter da JEC e da JUC, sob o argumento de que a ação evangélica da ACB devia ser basicamente espiritual.

Após o movimento político-militar de março de 1964, os membros da JEC e da JUC foram perseguidos pela repressão. Por outro lado, a nova orientação divulgada pela CNBB, no sentido de que a organização do laicato voltasse a ser entregue às dioceses, conduziu ao desaparecimento da ACB em 1966.

No final desse ano, adotando posição idêntica à da JUC, a JEC se desligou da hierarquia eclesiástica, recomendando que seus militantes prosseguissem individualmente sua missão.

Mônica Kornis

 

 

FONTES: ALVES, M. Igreja; BRUNEAU, T. Catolicismo; KADT, E. Catholic.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados