MOVIMENTO CONTRA A DITADURA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MOVIMENTO CONTRA A DITADURA
Nome Completo: MOVIMENTO CONTRA A DITADURA

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
MOVIMENTO CONTRA A DITADURA

MOVIMENTO CONTRA A DITADURA

 

Movimento idealizado durante o XVIII Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), realizado em Belo Horizonte em julho de 1966. Seu objetivo era formar uma frente contra o regime militar, congregando estudantes, operários e camponeses na luta pelo restabelecimento das liberdades democráticas no país.

A UNE encontrava-se na ilegalidade desde abril de 1964, quando foi fechada pelas autoridades militares. Em novembro desse mesmo ano, o ministro da Educação, Flávio Suplicy de Lacerda, baixou uma lei — conhecida como Lei Suplicy — criando o Diretório Nacional dos Estudantes (DNE) e os diretórios estaduais dos Estudantes (DEEs). A Lei Suplicy proibiu ainda os universitários de fazer greves e de desenvolver atividades políticas.

A idéia do Movimento contra a Ditadura (MCD) foi lançada no congresso da UNE pela Ação Popular (AP), organização de esquerda de matriz católica, na época amplamente dominante no movimento estudantil. Foi graças a essa hegemonia que a proposta do MCD, mesmo sofrendo a oposição de outras tendências, conseguiu ser aprovada na reunião. As críticas da Política Operária (Polop) e das várias cisões ocorridas nas seções estaduais do Partido Comunista Brasileiro (PCB) no decorrer de 1966, as chamadas “dissidências”, vinculavam-se basicamente à falta de representação do movimento operário dentro do MCD. Já o PCB considerava o MCD uma iniciativa radical, uma vez que acreditava que a Lei Suplicy poderia ser utilizada pelas “forças democráticas”.

Na prática, o MCD não conseguiu se concretizar, em parte devido à oposição encontrada no interior do próprio movimento estudantil, e sobretudo devido às condições políticas existentes no país, visto que os trabalhadores rurais e urbanos estavam em franco processo de desmobilização e suas entidades de classe se encontravam sob intervenção governamental. Por outro lado, o próprio nome do movimento lhe conferia um caráter semilegal, reduzindo-lhe as possibilidades de granjear adeptos em setores que, ao contrário do estudantil, resistiam à idéia de passar à semiclandestinidade.

O ponto alto do MCD correspondeu às eleições legislativas de novembro de 1966, quando a UNE propôs o voto nulo e a colocação da sigla do movimento nas cédulas eleitorais. Essa orientação, contudo, foi seguida basicamente pelos elementos ligados à AP. Devido à pouca receptividade alcançada, a idéia do MCD foi abandonada em meados de 1967.

Entretanto, nas áreas onde a AP logrou manter um contato mais ou menos estreito com as bases operárias e camponesas, como no interior de São Paulo, os núcleos do MCD sobreviveram pelo menos até final de 1968.

Sérgio Lamarão

 

 

FONTES: ENTREV. DERWEID, J.; MOTA, P. Movimentos.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados