SOCIEDADE AMIGOS DA AMERICA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SOCIEDADE AMIGOS DA AMERICA
Nome Completo: SOCIEDADE AMIGOS DA AMERICA

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
SOCIEDADE AMIGOS DA AMÉRICA

SOCIEDADE AMIGOS DA AMÉRICA

 

Sociedade civil fundada em 1º de janeiro de 1943 no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, com o objetivo declarado de apoiar a luta dos Aliados na Segunda Guerra Mundial pela preservação dos “ideais democráticos” e contra o totalitarismo. Constituiu na verdade um núcleo de oposição ao Estado Novo, sendo por isso fechada em 1944. Reaberta em 1945, foi em pouco tempo absorvida pela União Democrática Nacional (UDN).

Tendo na figura do general Manuel Rabelo um de seus principais articuladores, a sociedade contou com a presença do embaixador norte-americano Jefferson Caffery em seu ato de fundação, realizado no Teatro Municipal. Procurando unir todos os setores de oposição ao regime de Getúlio Vargas, a organização teve porém especial cuidado em impedir o acesso de comunistas a seu quadro de associados, chegando a recorrer ao auxílio do chefe de polícia do Distrito Federal, Alcides Etchegoyen, para efetuar uma seleção.

Durante o ano de 1943, a sociedade juntou-se aos diversos setores oposicionistas — principalmente às entidades estudantis — que exigiram o alinhamento de Vargas ao lado dos Aliados. Essa campanha, que denunciava também a existência de elementos fascistas dentro do governo, difundia críticas ao regime, comparando-o com os de Hitler e de Mussolini. A participação da Sociedade Amigos da América no movimento pró-alinhamento se fez através da promoção de conferências em sua sede, nas dependências do Automóvel Clube, e do lançamento de um bônus em benefício dos Aliados. Essas atitudes valeram à organização a observação constante da polícia política.

Em 1944, a sociedade preparou-se para eleger sua primeira diretoria permanente. O general Rabelo convidou Osvaldo Aranha, ministro das Relações Exteriores, para concorrer à vice-presidência, em nome dos esforços que este sempre desenvolvera para colocar o governo brasileiro ao lado dos Aliados. Diante da resposta positiva de Aranha, foi definida uma chapa da qual faziam parte, além dos já citados, Antônio Reis de Carvalho, o general Cândido Mariano da Silva Rondon, Hermes Lima, Jéferson de Lemos, o general João Guedes da Fontoura, o general Júlio Caetano Horta Barbosa e Odilon Braga.

Da carta-plataforma apresentada por esses candidatos constavam os seguintes pontos: apoio ao envio de um corpo expedicionário à Europa e combate aos elementos ligados ao Eixo no Brasil, integrantes da chamada “quinta coluna”; formação de uma frente nacional antifascista e apoio à Carta do Atlântico, acordo firmado entre Churchill e Roosevelt em 1941 para definir a participação dos EUA na guerra; luta pelas liberdades públicas e individuais e pela anistia ampla; luta em prol da solidariedade pan-americana, e defesa do estreitamento das relações com os Aliados, especialmente os soviéticos.

Realizadas as eleições, a posse da diretoria foi marcada para o dia 10 de agosto de 1944.

No entanto, pouco antes, os diretores da sociedade receberam um comunicado da polícia proibindo a realização da solenidade. Embora a cerimônia não tivesse sido realizada, no dia 11, estando Osvaldo Aranha nas dependências do Automóvel Clube, este foi invadido e a sociedade foi fechada por ordem do chefe de polícia, Coriolano de Góis.

A repressão violenta à sociedade coroou a crise entre Vargas e Osvaldo Aranha, que se exonerou do Ministério das Relações Exteriores. Ao mesmo tempo, o Tribunal de Segurança Nacional determinou a prisão de cerca de 15 associados, provocando com isso um movimento de solidariedade à organização, que recebeu o apoio, entre outros, da União Nacional dos Estudantes (UNE). Nenhum desses episódios foi noticiado pela imprensa, por ordem do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP).

Em 5 de abril de 1945, quando a queda do Estado Novo já se anunciava, a Sociedade Amigos da América foi reaberta, intimamente vinculada à formação da UDN. Essa ligação, reafirmada num manifesto lançado em 20 de abril em apoio à candidatura de Eduardo Gomes à presidência da República, acabou por significar a absorção da sociedade pelo partido.

 

 

FONTES: ARQ. OSVALDO ARANHA; BASBAUM, L. História; CARONE, E. Terceira; SILVA, H. 1945.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados