VOZ DA UNIDADE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: Voz da Unidade
Nome Completo: VOZ DA UNIDADE

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
VOZ DA UNIDADE

VOZ DA UNIDADE

 

Semanário do Partido Comunista Brasileiro (PCB), fundado em março de 1980 e editado em São Paulo, com sucursais em diversas capitais.

A Voz da Unidade foi criada como herdeira de outros periódicos comunistas publicados no Brasil desde a fundação do PCB. Especialmente nos períodos em que o partido teve vida legal (como entre 1945 e 1947) ou em que, mesmo na ilegalidade, houve maior tolerância para com as atividades comunistas, foram publicados semanários e jornais diários, seguindo as orientações do PCB, em diversas capitais brasileiras. Foi o caso de A Classe Operária, publicado no Rio em 1946 e 1947, e de A Voz Operária, órgão oficial do partido entre 1949 e 1959, quando foi substituído pelo semanário Novos Rumos, publicado até o movimento político-militar de 1964. Na clandestinidade durante o regime militar, o PCB voltou a usar o título Voz Operária para seu jornal, que circulou em intervalos mensais entre 1964 e dezembro de 1974. Tornou a ser editado em 1976, a partir do exterior. Com a anistia política, concedida por lei aprovada no Congresso em 22/8/1979, que beneficiou opositores do regime militar, o partido suspendeu a publicação do jornal em setembro de 1979, preparando-se para a edição de um semanário em novos moldes.

Mesmo no tempo em que o PCB estava na ilegalidade, a Voz da Unidade foi claramente identificada como o órgão oficial do partido. No primeiro número, de 30 de março de 1980, definiu-se em editorial como um jornal que “surge para ser expressão e veículo de uma corrente de pensamento cuja linha de ação está orientada para ajudar a classe operária e a todas as forças democráticas do país”.

Os debates internos do partido, como quando da ocasião do afastamento do seu secretário-geral Luís Carlos Prestes, em abril de 1980, também se refletiram nas páginas do jornal, embora maior destaque fosse dado sempre, como era de se esperar em um órgão oficial, à linha política traçada pela direção nacional do PCB.

Na década de 1980, a Voz da Unidade refletiu as oscilações na conjuntura política em relação ao PCB. Após o episódio do Riocentro — explosão de uma bomba por grupos militares de extrema direita durante um show em comemoração ao Dia do Trabalhador, com o objetivo de prejudicar a continuidade do processo de abertura política —, a Voz da Unidade cobriu todo o processo de apuração do caso, proclamando o apoio dos comunistas ao governo nas investigações tidas como fundamentais para o processo de abertura democrática. Mais tarde, quando do arquivamento do processo, o jornal acusou o presidente João Batista Figueiredo de ter recuado em sua promessa de apuração do atentado.

Em dezembro de 1982, a tentativa de realizar o VII Congresso do partido no auditório da Editora Novos Rumos, que editava o jornal, foi reprimida por agentes da Polícia Federal, que prenderam 67 pessoas, mais tarde processadas pela Lei de Segurança Nacional. Na ocasião, a redação do jornal também foi invadida e seus arquivos foram apreendidos.

Em 1983, Giocondo Dias, então secretário-geral do PCB, lançou em Brasília a campanha nacional pela legalização do partido e a Voz da Unidade, com o lema “A luta pela legalidade do PCB é a luta pela democracia”, passou a ser o porta-voz do movimento, publicando manifestos e apoios políticos à campanha. Em fins daquele ano, a Voz da Unidade integrou-se à campanha da Diretas Já, mas manteve a defesa das prioridades do PCB, como “a livre organização partidária e a instauração da Assembléia Nacional Constituinte livre e soberana”. No ano seguinte, após a derrota no Congresso da emenda constitucional que restaurava as eleições diretas para a presidência da República, a Voz da Unidade passou a defender o nome de Tancredo Neves, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), como candidato único dos democratas. Assim, apoiou no Colégio Eleitoral a chapa Tancredo Neves-José Sarney, da chamada Aliança Democrática, que reuniu o PMDB e dissidentes da Aliança Renovadora Nacional (Arena), o partido do governo, agrupados na Frente Liberal.

Em maio de 1985, após o fim do regime militar, o PCB foi finalmente legalizado. A legalização do partido se refletiu na apresentação formal do jornal que, em 1986, incorporou a foice e o martelo ao seu logotipo e, em 1988, passou a apresentar, abaixo do título, a legenda “Órgão Central do Partido Comunista Brasileiro”.

Os primeiros passos da chamada Nova República foram enaltecidos pelo jornal, e a proposta do Executivo, apresentada ao Legislativo em outubro de 1985, de conferir poderes constituintes aos parlamentares eleitos no pleito de novembro de 1986 foi apoiada, embora com ressalvas, em artigos do jornal. O apoio ao governo Sarney foi mantido durante o Plano Cruzado — reforma econômica implantada em 28 de fevereiro de 1986. A Voz da Unidade considerou o plano positivo, por abrir para a sociedade “a possibilidade de que se adotassem novas medidas que construíssem as bases de um novo modelo de desenvolvimento.”

Durante a Constituinte, o jornal foi porta-voz das posições do partido e da atuação da pequena bancada do PCB. Em novembro de 1987, por exemplo, deu grande destaque à emenda apresentada por Fernando Santana (PCB-BA), que nacionalizava a distribuição de derivados de petróleo. No mês seguinte, com a manchete “Direita joga bruto na Constituinte”, a Voz da Unidade denunciava a articulação do Centrão, bloco de constituintes conservadores que se articularam para combater propostas progressistas acolhidas pela Comissão de Sistematização na primeira fase da elaboração da Carta. Em março e em junho de 1988, o jornal anunciou a derrota das propostas defendidas pelo partido quanto ao regime de governo (os constituintes do PCB votaram pelo parlamentarismo) e quanto ao mandato do presidente José Sarney (os comunistas defendiam quatro anos, contra os cinco aprovados), com manchetes do tipo “Sarney leva na mão dura” e “Ok, você venceu”. Logo após a aprovação da nova Constituição, em outubro de 1988, o jornal passou a veicular o apoio do PCB à proposta de um pacto social com objetivos antiinflacionários.

Em 1989, o jornal assumiu o papel de porta-voz da candidatura de Roberto Freire à presidência da República, pelo PCB, circulando semanalmente com um encarte especial da campanha.

Em suas páginas, a Voz da Unidade publicava colunas de política, economia, cultura, educação, sindicalismo, noticiário nacional e internacional, questão feminina e esportes. Seu primeiro diretor responsável foi Henrique Cordeiro, que exerceria o cargo até 1983, sendo o Conselho Editorial da época formado por Armênio Guedes, Lindolfo Silva, Teodoro Melo e Gildo Marçal Brandão. João Avelino assumiu a direção do jornal a partir de maio de 1983, sendo sucedido no cargo por Luís Carlos Azedo, a partir de outubro de 1987.

Em janeiro de 1992, no contexto das transformações no Leste Europeu deu-se o fim do PCB — que decidiu em congresso pela sua autodissolução e pela criação do Partido Popular Socialista (PPS). O jornal, que nos anos anteriores dava espaço às discussões sobre a chamada perestroika e defendia mudanças no partido, deixou de ser editado em 1991.

 

FONTES: CHINEM, R. Imprensa alternativa; FERREIRA, M. Imprensa operária; FREDERICO, C. Esquerda; KUCINSKI, B. Jornalistas e revolucionários; PANDOLFI, D. Camaradas e companheiros; Voz da Unidade (1980-1991).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados