Armando Santos Moreira Cunha II

Entrevista

Armando Santos Moreira Cunha II

Entrevista realizada no contexto do projeto "EBAPE: 50 anos de história" desenvolvido pelo CPDOC em convênio com a Escola Brasileira de Administração Pública, entre junho de 2001 e março de 2002. O projeto resultou na publicação do livro "A ESCOLA que faz Escola: EBAPE 50 anos, depoimentos ao CPDOC" / Organizadoras: Helena Bomeny e Marly Motta. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getulio Vargas, 2002. A escolha do entrevistado se justificou por ser ex-aluno da EBAP, onde estudou na segunda metade da década de 1960 e, posteriormente, exerceu as atividades de professor e diretor.
Forma de Consulta:
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: BOMENY, Helena; MOTTA Marly (Orgs.). A ESCOLA que faz Escola: EBAPE 50 anos, depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getulio Vargas, 2002. 492p. il.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Helena Maria Bousquet Bomeny
Marly Silva da Motta
Data: 21/9/2001 a 28/9/2001
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 6h45min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Armando Santos Moreira Cunha
Nascimento: 29/6/1947; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Mestre em Administração Pública pela University of Southern Califórnia (EUA); bacharel em Administração pela Escola Brasileira de Administração Pública e De Empresas (Ebape/FGV).
Atividade: Professor de Carreira da EBAPE/FGV, desde 1972; Diretor da EBAPE/FGV, 1992-1999; Professor visitante do Instituto Nacional de Administração, Portugal; Coordenador de Planejamento da Secretaria de Cultura do Ministério da educação e Cultura (1980-1985); Analista Financeiro da IBM do Brasil (1970-1972); Professor Emérito da Escola de Comando e Estado Maior do Exército.

Equipe

Levantamento de dados: Marly Silva da Motta;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Marly Silva da Motta;

Transcrição: Claudia Peçanha da Trindade;

Conferência da transcrição: André Vianna Dantas;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Temas

Administração;
Administração de empresas;
Administração pública;
Anos 1950;
Anos 1960;
Carreira militar;
Casa de Rui Barbosa;
Ciências Sociais;
Comissão Nacional de Energia Nuclear;
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior;
Estados Unidos da América;
Fundação Getulio Vargas;
Mercado financeiro;
Ministério do Trabalho e Previdência Social;
Políticas públicas;
Reforma Universitária de 1968;
Regime militar;

Sumário

FITA 1-A: Considerações iniciais sobre a desistência da carreira militar (1965); sobre as motivações da escolha do curso de Administração na EBAP (1966); comentários a respeito da distinção entre a ambiência militar e civil; sobre o choque com o ambiente intelectual das Ciências Sociais; considerações a respeito do debate em torno da reforma universitária (1967), dentro da EBAP; considerações a respeito do caráter organizacional da Escola na segunda metade dos anos 60: a direção da professora Beatriz Warlich, o impacto da regulamentação da profissão de administrador (1965), o perfil intelectual da Escola a partir do retorno, do exterior, dos professores pós-graduados; considerações a respeito da mudança de perfil do alunado dos anos 50 e da segunda metade dos anos 60: o recrutamento dos nos anos 50.

FITA 1-B: Considerações a respeito da mudança de perfil do alunado dos anos 50 e da segunda metade dos anos 60 (cont.): a visibilidade da área na segunda metade dos anos 60, o recrutamento nos anos 60, as características do alunado; novos comentários sobre a visibilidade da área na segunda metade dos anos 60; sobre as perspectivas do estudante diante da administração pública e privada (60/70); considerações acerca das variáveis que historicamente contribuíram para o fluxo intenso dos alunos para a administração privada: as oportunidades, a irregularidade dos recrutamentos da administração pública, a grande procura do setor privado pela EBAP, o recrutamento por parte das estatais; considerações a respeito da definição de sua trajetória profissional dentro da Escola: o estágio com o professor Fernando Bessa (67-70) e o interesse pela área de Orçamento Público; sobre a concepção racionalista do administrador e a gestão do Orçamento Público.

FITA 2-A: Considerações sobre o estágio no Ministério do Trabalho e Previdência (1969): a sua escolha, a proximidade com o dr. Celso Barroso Leite, o aprendizado; sobre o estágio na Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN - 1968): a atividade de técnico de orçamento, a escolha do seu nome por Irapoan Cavalcanti; comentários sobre sua ida para a Casa de Rui Barbosa (70-71) por intermédio de Irapoan Cavalcanti; sobre a escassez de tempo e a necessidade de maior dedicação ao curso de graduação da Escola; comentários acerca da percepção de encontrar-se integrado a um novo aparato institucional forjado pelo regime militar; acerca do trabalho na Casa de Rui Barbosa como primeira experiência efetiva de gestão.

FITA 2-B: Considerações a respeito de sua ida para a IBM (71-72): a incerteza profissional logo após a formatura, o trabalho na Crefisul e a experiência desagradável no mercado financeiro, o recrutamento pela IBM (1970), o ingresso na IBM como analista financeiro (71); sobre o trabalho na IBM e as atividades paralelas; comentários sobre o conflito pessoal em face do trabalho na IBM: o convite, via IBGE, para a constituição do Instituto Brasileiro de Informática (IBI); comentários acerca da formação de um quadro docente permanente na gestão de Kleber Nascimento na diretoria da Escola (70-73); sobre a transição de rumos conceituais da Escola durante a gestão de Kleber Nascimento; novos comentários acerca dos convites de Kleber Nascimento para o retorno à EBAP: a participação do professor Fernando Bessa na decisão de voltar à Escola; sobre o reingresso na EBAP (72): na coordenação do curso de Graduação.

FITA 3-A: considerações a respeito da subida de Kleber Nascimento à direção da Escola (1970) tendo como vice Paulo Reis Vieira: a dupla indicação da professora Beatriz Warlich, o choque de estilos de um e outro, a formação de uma identidade conceitual da Escola a partir da influência do pensamento norte-americano; considerações acerca da aliança estratégica entre a EBAP e a University Southern California (USC) para a qualificação de seu corpo docente (60/70): a sua ida para a USC (início dos anos 70), o projeto de internalização da pós-graduação na Escola a partir do convênio com a USC, sobre a obsolescência do convênio com a USC (meados do anos 70) e a importância dessa etapa para a formação de uma "massa crítica" dentro da Escola, novos comentários sobre a sua permanência nos Estados Unidos; considerações acerca de seu retorno ao Brasil em 1976.

FITA 3-B: Considerações a respeito da importância da pós-graduação na trajetória de um profissional da área nos anos 70 e atualmente (2001); considerações a respeito da mudança de perfil do aluno que ingressava na Escola nos anos 70 em relação aos anos anteriores: sobre a crescente visibilidade da área, acerca do aumento da demanda pela área em função da modernização administrativa sofrida pelo Estado brasileiro durante os anos 70; sobre a identidade da Escola nos anos 70 em comparação com os anos 50 e 60: o privilégio da área técnica na identidade da Escola nos anos 70 em detrimento a um viés mais humanista prevalecente desde a sua fundação nos anos 50: a relação com o momento político brasileiro, a influência das Ciências Sociais no currículo da Escola; comentários sobre a mudança conceitual da área ao longo dos anos 70 e as conseqüências para o ordenamento teórico da Escola: o espaço para o pensar em políticas públicas dentro da Escola conjugado à presença de Wanderley G. dos Santos e Simon Schwartzman no corpo docente na primeira metade dos anos 70.

FITA 4-A: comentários sobre a mudança conceitual da área ao longo dos anos 70 e as conseqüências para o ordenamento teórico da Escola (cont.): o espaço para o pensar em políticas públicas dentro da Escola conjugado à presença de Wanderley G. dos Santos e Simon Schwartzman no corpo docente na primeira metade dos anos 70, sobre o grau de importância da Ciência Política na formulação conceitual da Escola em face das rupturas teóricas sofridas ao longo dos anos 70, a discussão sobre saída de Wanderley e Simon do quadro docente da Escola como marco dessas rupturas (segunda metade dos anos 70), os rumos da Escola na segunda metade dos anos 70 face às "pressões externas"; acerca da crescente valorização da pós-graduação nos anos 70: a criação e o papel do CIPAD.

FITA 4-B: Breves considerações a respeito da relação interna, na Fundação Getúlio Vargas, entre EBAP e EPGE ao longo dos anos 70; comentários sobre o processo sucessório na diretoria da Escola em 1976, quando assume o cargo o professor Paulo Motta; considerações sobre a sua atuação na vice-diretoria de Ensino na gestão do professor Paulo Motta: sobre o modelo organizacional da Escola na gestão Paulo Motta (76-86); novos comentários a respeito do fortalecimento da pós-graduação nos anos 70: a gestão Paulo Motta em consonância com tais objetivos, breves comentários sobre o fim da graduação (início dos anos 80) como contraponto à crescente valorização da pós nesse período; considerações a respeito da extinção da graduação no início dos anos 80: as motivações, o início das discussões (final dos anos 70), as reações contrárias, o caso de São Paulo; sobre os motivos da permanência do professor Paulo Motta por um largo período de 10 anos à frente da Escola; considerações a respeito da criação da ANPAD (1976).
FITA 5-A: Considerações a respeito da criação da ANPAD (1976): a iniciativa da CAPES, na presidência da nova instituição; comentários sobre sua atuação junto à Comissão de Economia e Administração vinculada à CAPES (77): a criação da Comissão de Administração e a atuação na presidência do órgão (78-79); breves comentários sobre a importância da AMPAD como reflexo da consolidação da área (segunda metade dos anos 70); novas e brevíssimas considerações sobre o fim da graduação na EBAP (1981); acerca do convite de Aluísio Magalhães para atuar no setor público, junto à área da Cultura (1979): sobre a conseqüente redução das atividades junto à EBAP (1980), acerca do desenvolvimento da área sob a liderança de Aluísio Magalhães; acerca de sua atuação junto à LBA (86-89); considerações a respeito de sua visão da administração pública a partir desta experiência no setor (79-89).

FITA 5-B: considerações a respeito de sua visão da administração pública a partir desta experiência no setor (79-89) (cont.); acerca de seu retorno integral à EBAP (1990) na chefia do Departamento de Pesquisa e Publicações: o choque entre a recente e dinâmica atuação na administração pública e o ambiente mais sereno da academia, a necessidade de trazer para a Escola toda a experiência adquirida no setor público; considerações a respeito dos desafios da Escola e da Fundação nos anos 90: comentários acerca do corte das subvenções federais para a Fundação e suas conseqüências; sobre o processo sucessório que redundou na assunção do professor Bianor Cavalcanti na direção da Escola (1986): a amistosa relação com Bianor, a prorrogação do mandato por dois anos em face de sombria conjuntura (1990); considerações acerca das articulações em torno do seu nome para concorrer à direção da Escola: em jogo os projetos pessoais, a candidatura única; considerações a respeito das dificuldades e desafios de sua gestão à frente da Escola (92-99): o quadro de incerteza vivido pela Fundação e suas unidades no início dos anos 90.

FITA 6-A: Considerações a respeito das dificuldades e desafios de sua gestão à frente da Escola (92-99) (cont.): o quadro de incerteza vivido pela Fundação e suas unidades no início dos anos 90 (cont.), a reformulação organizacional e administrativa sofrida pela Fundação e suas unidades, as estratégias adotadas para a adequação da Escola às exigências da crise vivida pela Fundação; considerações acerca do MBA no Brasil.

FITA 6-B: Considerações acerca do MBA no Brasil (cont.); novos comentários a respeito das estratégias adotadas pela EBAP para adequar-se às exigências de auto-sustentação no contexto da Fundação nos anos 90; comentários a respeito de algumas aspirações da Escola alinhavadas nos anos 70: a consolidação da pós-graduação, o desenvolvimento de uma linha de trabalho voltada também para a modernização da administração pública, a manutenção da revista RAP, o incremento da inserção internacional da Escola; comentários a respeito da inconstância regimental da Escola que permitiu a sua permanência à frente da Escola por um período de sete anos; comentários a respeito da possibilidade de sua ida para o doutorado, nos Estados Unidos, em 2001/2002; acerca da criação do doutorado na Escola (1998); considerações a respeito de suas atuais funções na Escola (2001); considerações a respeito do retorno da graduação na Escola (2002): retrospectiva dos anos 90.

FITA 7-A: considerações a respeito do retorno da graduação na Escola (2002): retrospectiva dos anos 90 (cont.), sobre a consolidação de uma identidade da Escola a partir das dificuldades vividas, acerca da necessidade de inovar garantindo a identidade da Escola, a relação da volta da graduação com o momento atual da Escola (2001), o tom das discussões em torno da volta da graduação, acerca do cerceamento, pela Fundação, das discussões em torno da reimplantação da graduação ainda na década de 90, sobre os moldes da atual organização da graduação, o novo currículo e o lugar atual das Ciências Sociais na Escola.

FITA 7-B: o novo currículo e o lugar atual das Ciências Sociais na Escola (cont.); considerações a respeito da importância e do papel da RAP - Revista de Administração Pública.





Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados