Carlos Lemos I

Entrevista

Carlos Lemos I

Esta entrevista é parte integrante de uma série de depoimentos realizados pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) entre 1977/1979 e doadas ao CPDOC em 15/08/1996. A escolha do entrevistado se justificou, entre outras coisas, por sua importante participação na grande reforma do Jornal do Brasil. Foi também no grupo JB, onde permaneceu 27 anos ininterruptos, que criou a Rádio Cidade, com um estilo musical que revolucionaria o estilo das FMs brasileiras.
Forma de Consulta:
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Não há informação
Data: 15/8/1996
Local(ais):
Não há informação ; - ; -

Duração: 2h45min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Carlos Lemos Leite da Luz
Formação: Graduado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).
Atividade: Repórter Da Tribuna Da Imprensa;repórter Da Revista Manchete;chefe de Redação do Jornal do Brasil;criador da Rádio Cidade.

Equipe


Transcrição: Maria Izabel Cruz Bitar;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Adriana Mattos de Oliveira;

Temas

Brasília;
Censura;
Ditadura;
Dwight Eisenhower;
Esportes;
Estado Novo (1937-1945);
Formação acadêmica;
Governo Juscelino Kubitschek (1956-1961);
Jânio Quadros;
Jornalismo;
José Sette Câmara;
Odilo Costa Filho;

Sumário

Entrevista: cerca de 1978 a 1979

Fita 1-A: breves relatos de suas experiências profissionais anteriores a carreira de jornalista; considerações acerca de sua formação universitária; comentários sobre o início de seu estágio na Tribuna da Imprensa (agosto de 1955), por intermédio do professor Nilson Viana; lembranças do período em que trabalhou simultaneamente, como repórter político, na Tribuna da Imprensa, na revista Maqui, na revista Manchete e no Jornal do Comércio, além de seus trabalhos na Revista da Semana; breve relato do único dia em que trabalhou no Diário da Noite; comentários acerca dos motivos que o levaram a largar as faculdades de Direito e de Jornalismo no segundo semestre de 1956; considerações a respeito do início da reforma do Jornal do Brasil (1957): importância da ida de pessoas do Diário Carioca e da Tribuna da Imprensa para o Jornal do Brasil ; relato do motivo pelo qual o entrevistado não era convidado para trabalhar no Jornal do Brasil; lembranças do episódio de sua saída da Tribuna da Imprensa e sua ida para o Jornal do Brasil, na parte de reportagem geral (1957); comentários a respeito de sua volta para a Tribuna da Imprensa e sua tentativa de se demitir do Jornal do Brasil, porém Odylo Costa Filho não permite e o entrevistado passa a trabalhar nos dois jornais; recordações do valor de seus salários, destacando-se o padrão mais elevado do valor dos salários pagos pelo Jornal do Brasil; observações acerca de sua segunda saída da Tribuna da Imprensa e ida para a parte de reportagem política no Jornal do Brasil; descrição do conteúdo do Jornal do Brasil antes de sua reforma e balanço do peso exercido por uma ditadura sobre os jornalistas, o Estado Novo (1937-1945) e a ditadura implementada pelo movimento de 1964; breve histórico do Jornal do Brasil: da direção do Conde Pereira Carneiro até sua reforma; observações acerca da importância de Amílcar de Castro na reforma do Jornal do Brasil: "o pai da reforma gráfica no Jornal do Brasil"; comentários sobre os profissionais que compunham a redação do Jornal do Brasil no início de sua reforma; observações acerca da reforma empreendida na parte de esportes do Jornal do Brasil: Lúcio Nunes foi contratado por Odylo Costa Filho para implantar esta reforma.

Fita 1-B: lembranças dos motivos que o levaram a fazer a cobertura da Copa do Mundo de 1958, na Suécia, a qual o levou a chefia do setor de esportes do Jornal do Brasil, cujo subchefe passou a ser Jânio de Freitas; descrição da reforma ocorrida na parte de esportes do Jornal do Brasil; enumeração dos nomes dos componentes da nova equipe da cessão de esportes do Jornal do Brasil; relatos do momento em que houve a retirada dos fios que separavam as colunas da cessão de esportes do Jornal do Brasil, o que desencadeou a retirada dos fios de todo o jornal; considerações acerca da introdução da fotografia na primeira página do Jornal do Brasil; enumeração de alguns nomes de copidesques que trabalharam no Jornal do Brasil; explicação do que é a construção de uma notícia em pirâmide invertida; comentários sobre as contribuições dadas pelos jornalistas brasileiros à técnica de jornalismo importada dos Estados Unidos.

Fita 2-A: comentários acerca da criação do sublide na redação do Jornal do Brasil; considerações sobre a importância de Amílcar de Castro na imprensa brasileira e breve relato de sua trajetória profissional; observações a respeito das mudanças gráficas ocorridas no Jornal do Brasil desde sua reforma até os dias atuais: ocorreu a horizontalização da verticalização; considerações acerca do período em que o Jornal do Brasil deixou de ser uma banca de anúncios; comentários sobre a concessão dada pelo presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961), de um canal de televisão, ao Jornal do Brasil; considerações acerca da saída de Odylo Costa Filho da redação do Jornal do Brasil e sua substituição por um triunvirato: Jânio Freitas, Araújo Neto e Carlo Lemos; comentários acerca do importante papel exercido por Alberto Dines no Jornal do Brasil; considerações a respeito da superioridade do Jornal do Brasil, em relação aos outros jornais, na cobertura de grandes acontecimentos.

Fita 2-B: enumeração e comentários acerca de diversas matérias realizadas pelo Jornal do Brasil: chegada do presidente norte-americano Dwight David Eisenhower ao Brasil, inauguração de Brasília, reportagem sobre Copacabana, matéria a respeito da Central do Brasil e reportagens sobre corrupção; lembranças da cobertura feita pelo Jornal do Brasil da Copa do Mundo de 1962, no Chile; breves comentários acerca do período de duração da reforma do Jornal do Brasil; comentários acerca da liberdade de imprensa existente no período de governo do presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961); relato dos dois dias em que o Jornal do Brasil não saiu às ruas tendo como motivo a censura: episódio da renúncia do presidente Jânio Quadros (1961) e no dia seguinte após a prisão do diretor do Jornal do Brasil José Sette Câmara; comentários acerca da censura atual; considerações sobre a importância do empresário Manuel Francisco do Nascimento Brito na reforma do Jornal do Brasil; observações a respeito da importância da reforma do Jornal do Brasil; comentários acerca da relevância do Jornal da Tarde.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados