Isaura Botelho

Entrevista

Isaura Botelho

Entrevista realizada no contexto do projeto “Cidadania cultural e políticas públicas no regime militar”, em convênio com a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) e financiamento do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex), desde janeiro de 2004. O projeto investe no estudo das relações entre Estado e cultura, pretendendo analisar o modo e os caminhos pelos quais o Estado Brasileiro, particularmente entre as décadas de 1960 e 1980, atuou no campo da cultura, criando, divulgando e incentivando o consumo de bens culturais como forma de inclusão social.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Lúcia Lippi Oliveira
Data: 4/8/2005
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 1h5min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Isaura Botelho
Nascimento: 9/7/1950; Paracatu ; MG; Brasil;

Formação: Graduação em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Atividade: Professora do colégio Souza Leão; trabalha na Funarte (Fundação Nacional de Arte).

Equipe


Transcrição: Maria Izabel Cruz Bitar;

Conferência da transcrição: Julia Alves Pinheiro;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes; Fernando Acar;

Sumário: Julia Alves Pinheiro;

Temas

Aloísio Sérgio Barbosa Magalhães;
Aluísio Pimenta;
Anos 1980;
Arte;
Atividade profissional;
Celso Furtado;
Cultura;
Cultura brasileira;
Cultura popular;
Desenvolvimento cultural;
Eduardo Portela;
Família;
Financiadora de Estudos e Projetos;
Formação profissional;
Francisco Weffort;
Fundação Nacional de Artes (Funarte);
Fundação Nacional Pró-Memória;
Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE);
Governo Fernando Collor (1990-1992);
Identidade;
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN);
Isaura Botelho;
Letras;
Ministério da Cultura;
Ministério da Educação e Cultura;
Política cultural;
Projetos culturais;
Roberto Daniel Martins Parreira;
Tancredo de Almeida Neves;

Sumário

Entrevista: 04.08.2005

Origem familiar e trajetória profissional; entrada na Funarte em 1978 como coordenadora de projeto; comentários a respeito da proposta de incorporação da Funarte como Ministério da Cultura e o conflito da criação da Secretaria de Atividades Culturais e a Secretaria do Patrimônio; menção ao esvaziamento do Departamento de Assuntos Culturais em meio à criação de outras instituições; comentário sobre a gestão de Aloísio Magalhães na Secretaria do Estado da Cultura e a criação da Fundação Pró-Memória por parte da Secretaria em aliança com o Iphan, o Programa de Cidades Históricas e o Centro Nacional de Referências Culturais (CNRC); impressões sobre o comportamento de Aloísio como maneira de evitar confronto com a política conservadora e sobre os conflitos de identidade e referências culturais das instituições; considerações acerca do movimento iniciado por Eduardo Portella, e continuado por Márcio Tavares do Amaral, de planejamento conceitual na criação e a distribuição de funções das instituições artísticas no período da criação do Ministério da Cultura; comentário sobre a criação do Fórum de Secretários da Cultura no governo Tancredo Neves e o momento conflituoso de criação do Ministério; breve explicação a respeito da Secretaria de Apoio à Produção Cultural; consideração sobre a gestão de Aluísio Pimenta frente ao Ministério da Cultura; breve menção ao financiamento dos projetos pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE); considerações sobre o funcionamento da Secretaria de Cultura do MEC e a coordenação horizontal dos projetos feita em aliança com as instituições; observação a respeito dos secretários de cultura relevantes no período de criação do Ministério da Cultura, 1985 à 1989 e suas atuações; comentário sobre a liberdade de autogestão das instituições antes do governo Collor, momento do movimento de esvaziamento para a constituição do Ministério da Cultura; comentário sobre a gestão do ministro Celso Furtado no Ministério da Cultura; trajetória profissional após o período de doutorado na França; o retorno ao Ministério da Cultura na década de 1990.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados