Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira

Entrevista

Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira

Entrevista realizada no contexto da pesquisa "Trajetória e Desempenho das Elites Políticas Brasileiras", parte integrante do projeto institucional do Programa de História Oral do CPDOC, em vigência desde sua criação, em 1975. A escolha do entrevistado se justificou pelo interesse em recuperar, a partir de sua trajetória pessoal, a sua atuação no âmbito da política brasileira e suas relações com os diferentes personagens políticos. Dentre estes se destaca o ex-presidente João Goulart, que teve parte de seu arquivo pessoal doado pelo entrevistado ao CPDOC.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Marieta de Moraes Ferreira
Lourival Mendonça Silva Júnior
Data: 14/3/2003
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 3h25min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira
Nascimento: 30/12/1935; Salvador; BA; Brasil;

Formação: Em Direito e doutorado em Ciência Política, na Universidade de São Paulo (USP).
Atividade: Adido cultural junto ao Consulado Geral do Brasil em Frankfurt/Main, na Alemanha. Aposentado pela Universidade de Brasília, em 1996.

Equipe

Levantamento de dados: Lourival Mendonça Silva JR.;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Marieta de Moraes Ferreira;

Transcrição: Maria Izabel Cruz Bitar;

Conferência da transcrição: Vanessa Matheus Cavalcante;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Mariana Franco Lopes;

Temas

Clandestinidade;
Comunismo;
Cuba;
Eleições estaduais;
Eleições presidenciais;
Ênio Silveira;
Estados Unidos da América;
Exílio;
Fernando Henrique Cardoso;
Frente Ampla (1967);
Golpe de 1964;
Governo João Goulart (1961-1964);
Governos militares (1964-1985);
Grupo dos Onze (1963-1964);
Guerrilha urbana;
Jânio Quadros;
João Goulart;
Leonel Brizola;
Partido Democrático Trabalhista - PDT;
Partido Trabalhista Brasileiro - PTB;
Partidos políticos;
Política externa;
Política interna;
Política nacional;
Política operária ;
Política partidária;
Reformas de base;
Sérgio Magalhães;
Social democracia;
Socialismo;

Sumário

Entrevista: 14/03/2003

Fita 1-A: Origens familiares; influência do ambiente político e intelectual na sua infância; estudos: o início da faculdade de Direito na Bahia e a transferência para o Rio de Janeiro, em 1956; menção à sua participação na campanha de Juscelino Kubitschek, em 1955; o início da trajetória profissional: trabalho em jornais, assessoria política ao deputado Sérgio Magalhães (década de 50); o envolvimento com a militância política; a mudança para o Diário de Notícias e o convite para acompanhar Jânio Quadros em viagem a Cuba (1960); sua atuação nas eleições de 1960 para o governo do estado da Guanabara: o apoio à candidatura de Sérgio Magalhães pelo Partido Socialista e Partido Trabalhista (PTB); menção acerca das correntes do PTB em meados da década de 60: o “grupo compacto” e o “PTB fisiológico”; impressões acerca de Jânio ..........p.1-12

Fita 1-B: Comentários acerca dos conflitos políticos envolvendo Sérgio Magalhães e Carlos Lacerda; opinião sobre a renúncia de Jânio; menção às eleições presidenciais de 1960 e sua opção por não apoiar nenhum candidato; a atuação de Leonel Brizola na política brasileira e a criação da campanha da legalidade (1961); avaliação sobre o acordo parlamentarista realizado entre a renúncia de Jânio e a posse de Jango; a consciência legalista no Brasil; considerações sobre a mentalidade das Forças Armadas na década de 60: a influência da escola francesa; referência à doutrina da civic action adotada pelos Estados Unidos nos anos 60; breve comentário sobre o golpe militar de 64; menção à influência dos Estados Unidos nas eleições brasileiras de 1962; opinião acerca da postura de Jango após a promulgação da emenda parlamentarista (1961).................... p.13-25



Fita 2-A: Avaliação sobre o golpe de 64 e a relação deste com a política externa dos Estados Unidos na década de 60; comentários sobre a tentativa de golpe na Venezuela em 2000: comparação com o ocorrido no Brasil em 64; opinião acerca das reformas de base realizadas por João Goulart (1964) e de demais medidas econômicas adotadas por este; comentários sobre as relações de Cuba e China com os comunistas brasileiros: o estímulo à luta de guerrilha na década de 60; menção ao conflito entre Fidel Castro e os comunistas ortodoxos cubanos; contato com Che Guevara em visita a Cuba em julho de 1962: diálogo sobre a fragmentação do movimento comunista no Brasil; opinião acerca do fracasso da guerrilha no Brasil: a base econômica do país não era rural, e sim, urbana; breve análise das teorias socialistas de Rosa Luxemburgo, das atitudes e medidas de Lênin e Stalin e do sistema capitalista, de maneira geral; menção ao vínculo com a Polop [Política Operária] e o seu rompimento após o golpe de 1964; breve comentário ao exílio no Uruguai.........p.25-36



Fita 2-B: A estadia na embaixada do Uruguai após o golpe de 64; opinião sobre qual deveria ser a resistência ao golpe militar: comparação com a insurreição encabeçada por Lênin na Rússia; menção à guerrilha de Copacabana; as estratégias de defesa comandadas por Brizola no início da década de 60: a tentativa de um levante no Rio Grande do Sul e o “grupo dos 11”; comentários acerca da invasão ao Rio Grande do Sul por Jefferson Cardim de Alencar Osório, em abril de 1965; menção à Revolta dos Sargentos (1963); o exílio no Uruguai e a volta para o Brasil em 1965; o rompimento com a Polop e o seu desdobramento em VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária) e Colina (Comando de Libertação Nacional); referência ao decreto de sua prisão preventiva em 1966 e sua revogação no ano seguinte; a prisão em 1969...............p.36-47


Fita 3-A: A vida na clandestinidade no Rio de Janeiro após a sua condenação em 1969; comentários sobre o momento em que foi preso (1969) e a sua posterior liberação; o apoio do editor Ênio Silveira para a publicação de suas obras; o julgamento e a nova condenação em 1972; menção à ida para São Paulo como clandestino: o trabalho na Editora Banas (início dos anos 70); o retorno ao Rio de Janeiro, após o término de Presença dos Estados Unidos no Brasil, e a volta à prisão (1973); referência à absolvição em dezembro de 1973; a vida na legalidade: o doutorado na Universidade de São Paulo (USP); menção à ideia de escrever um livro sobre o governo de João Goulart; comentários sobre a relação com Jango na época em que este era presidente e a maior aproximação com este nas circunstâncias do exílio (1964); referência ao contato com exilados na volta ao Uruguai em 1974; o apoio à efetivação de Carlos Meireles na direção do Conselho Nacional de Petróleo (CNP) após a renúncia de Jânio.......................p.47-58

Fita 3-B: Menção à véspera do golpe militar: o confisco do estoque de combustíveis em Minas Gerais; observações sobre a personalidade de João Goulart; comparações entre o papel do PTB no Brasil e da social-democracia na Europa nos anos 60; comentários sobre a relação entre Brizola e Jango: os desentendimentos e a reaproximação; considerações a respeito da capacidade de liderança de Jango; menção à articulação de Jango com Amaury Kruel em 1964 e a participação do mesmo na Frente Ampla em 1967; breve referência ao início da escrita de seu livro sobre Jango na década de 70; o encontro com Brizola em Durazno após a morte de João Goulart: diálogo sobre a necessidade de o primeiro assumir a liderança do PTB; a estadia nos Estados Unidos e o convívio com Brizola, exilado neste país desde setembro de 1977............... p.58-71



Fita 4-A: A ida para Portugal - em outubro de 1977 - com a finalidade de conseguir um passaporte português para Brizola; comentários sobre a reunião da social-democracia sobre o PTB, em Colônia (Alemanha); menção aos contatos feitos na Europa a fim de possibilitar a ida de Brizola para a reunião da Internacional em Hamburgo; referência à campanha realizada com Brizola a fim de angariar o apoio do SPD (Partido Social-Democrata Alemão) e do governo alemão com o objetivo de pressionar Geisel no que diz respeito às questões da anistia e de direitos humanos; considerações acerca de seus desentendimentos com Brizola: o descontentamento com relação à criação do PDT (Partido Democrático Trabalhista); avaliação sobre as possibilidades de eleição de Brizola à presidência do Brasil nos anos 90............p.71-80
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados