Pedro Cavalcante Filho

Entrevista

Pedro Cavalcante Filho

Entrevista realizada no contexto do projeto "História do Movimento Negro no Brasil", desenvolvido pelo CPDOC em convênio com o South-South Exchange Programme for Research on the History of Development (Sephis), sediado na Holanda, a partir de setembro de 2003. A pesquisa tem como objetivo a constituição de um acervo de entrevistas com os principais líderes do movimento negro brasileiro. Em 2004 passou a integrar o projeto "Direitos e cidadania", apoiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) do Ministério da Ciência e Tecnologia. As entrevistas subsidiaram a elaboração do livro "Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC." Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007. A escolha do entrevistado se justificou por sua militância no movimento negro em Pernambuco desde a década de 1970, onde fundou o Movimento Negro Unificado (MNU).
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC. Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Verena Alberti
Amilcar Araujo Pereira
Data: 1/7/2005
Local(ais):
Brasília ; DF ; Brasil

Duração: 1h40min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Pedro Cavalcante Filho
Nascimento: 27/4/1948; Viçosa; AL; Brasil;

Formação: Formado em Arquitetura pela Universidade Federal de Pernambuco.
Atividade: Militante do movimento negro em Pernambuco desde a Década de 1970, foi Fundador do Movimento Negro Unificado (MNU) em Pernambuco.

Equipe

Levantamento de dados: Amilcar Araujo Pereira;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Verena Alberti;Amilcar Araujo Pereira;

Transcrição:  ;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes; Marco Dreer Buarque;

Sumário: Fernanda Corrêa da Silva;

Temas

Movimento negro;

Sumário

1° Entrevista: 01/07/2005

Fita 1-A: origens familiares; detalhes sobre a história dos pais; recordações sobre os tempos de escola; relação do entrevistado com seus professores da escola; primeiro emprego como operador de som da rádio local; ida para Recife; emprego nos Diários Associados, da Tupi; participação do entrevistado no vestibular para arquitetura.

Fita 1-B: ingresso na faculdade de arquitetura (1971 a 1976); emprego na Paraíba, para trabalhar em uma empresa da administração indireta do município de Campina Grande; nascimento da primeira filha, em 1978; participação em um projeto urbanístico para a cidade de Campina Grande; retorno do entrevistado para Recife; ingresso na Empresa de Urbanização do Recife; recordações sobre as discriminações vividas ao longo de sua trajetória; recuperação da idéia do movimento negro no final da década de 1970; características sobre a trajetória do entrevistado no Movimento Negro Unificado (MNU); fundação do MNU em Pernambuco em 1979; reflexões sobre democracia racial; descrição de fatos ocorridos na família para justificar a consciência da negritude do entrevistado.

Fita 2-A: o contato com membros do MNU de outros estados; a importância do contato com Inaldete Pinheiro sobre o estabelecimento do MNU em Pernambuco; processo de criação do MNU em Pernambuco - questão do 13 de Maio e 20 de Novembro; divergências de opiniões dentro do próprio MNU; críticas à questão da luta armada; interesse do entrevistado na questão sindical e trabalho na área como sindicalista de arquitetura; participação no Partido dos Trabalhadores (PT); criação de uma secretaria de combate ao racismo institucional no Recife; o afastamento do entrevistado do MNU concomitante a uma maior participação no PT e no sindicato; opinião sobre a relação dos partidos de esquerda com a questão racial; comentários sobre Inaldete Pinheiro, membro do MNU; detalhes sobre o próprio papel no MNU; radicação do entrevistado em Recife, desde os 21 anos de idade; atual emprego na Secretaria de Planejamento, como assessor do secretário de Planejamento do município; atual participação no planejamento de uma Secretaria de Direitos Humanos, trabalhando a igualdade racial; opinião sobre o sistema de cotas; participação do entrevistado em um trabalho de planejamento e reurbanização em áreas de favelas, lidando principalmente com a questão da regularização fundiária, através da Empresa de Urbanização da Cidade do Recife (Urb Recife); trabalho na favela Brasília teimosa; reflexões sobre questões raciais e de educação; detalhes sobre os três filhos e as suas carreiras; comentários sobre quem participou da III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, realizada em Durban, África do Sul, em 2001 e o seu papel no acompanhamento do processo; participação na campanha do candidato a governador de Pernambuco em 2002, Humberto Costa, com foco na questão racial; participação no encontro das secretarias de combate ao racismo do Norte e Nordeste, com o Martvs das Chagas, Secretário Nacional de Combate ao Racismo do PT, em Recife, na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj); discussão do Programa Institucional de Combate ao Racismo, vinculado ao Department for International Development (DFID) e ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Fita 2-B: participação em seminários até agosto de 2004; convênio definitivo da Prefeitura com a PNUD - DFID; o entrevistado como representante da Prefeitura no Fórum, durante a implementação da Lei 10.639, em que a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) encaminha a montagem do Fórum Intergovernamental; participação em projetos com foco na questão da educação; planos para trabalhar o a questão do quesito raça/cor nas áreas da saúde, da educação, da cultura, etc.; comentários sobre a relação da sociedade civil e do município; citação de ONGs como: MST, SOS, Nós outras mulheres, Associação das Mulheres da Zona Rural, Associação das Mulheres do Cabo; definição e objetivo do conceito de racismo institucional - base do Programa de Combate ao Racismo Institucional (PCRI) - pelo DFID.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados