Rogério Cerqueira Leite

Entrevista

Rogério Cerqueira Leite

Entrevista realizada no contexto do projeto "História da ciência no Brasil", desenvolvido entre 1975 e 1978 e coordenado por Simon Schwartzman. O projeto resultou em 77 entrevistas com cientistas brasileiros de várias gerações, sobre sua vida profissional, a natureza da atividade científica, o ambiente científico e cultural no país e a importância e as dificuldades do trabalho científico no Brasil e no mundo. Informações sobre as entrevistas foram publicadas no catálogo "História da ciência no Brasil: acervo de depoimentos / CPDOC." Apresentação de Simon Schwartzman (Rio de Janeiro, Finep, 1984). A escolha do entrevistado se justificou por ser físico e professor emérito da Unicamp.
Forma de Consulta:
Entrevista datilografada disponível na Sala de Consulta do CPDOC.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Ricardo Guedes Pinto
Márcia Bandeira de Mello Leite Ariela
Data: 12/1/1977 a 13/1/1977
Local(ais):
Campinas ; SP ; Brasil

Duração: 4h10min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Rogério Cesar de Cerqueira Leite
Nascimento: 14/7/1931; Santo Anastácio; SP; Brasil;

Formação: Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), São José dos Campos (1958); doutor pela Universidade de Paris (1962).
Atividade: Foi professor assistente do Instituto Tecnológica da Aeronáutica (1958); foi membro visitante da equipe técnica dos laboratórios da Bell Telephone Company, em Nova Jersey, EUA (1962); foi efetivado em 1965-1970; foi professor titular e diretor do departamento de física do estado sólido e ciência dos materiais do Instituto de Física da Unicamp (1970); dirigiu esse instituto, substituindo Marcelo Damy (1971-1975); foi nomeado coordenador do instituto de artes da Unicamp e coordenador-geral das faculdades dessa universidade; coordenou o grupo de implantação da companhia de desenvolvimento de tecnologia S.A. (Codetec).

Equipe

Levantamento de dados: Patrícia Campos de Sousa;
Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Temas

Carreira acadêmica;
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq);
Cooperação científica e tecnológica;
Ensino superior;
Exportação;
Física;
Formação profissional;
História da ciência;
Indústria;
Instituições acadêmicas;
Instituto Tecnológico da Aeronáutica;
Intercâmbio cultural;
Marcas e patentes;
Matemática;
Metodologia de pesquisa;
Pesquisa científica e tecnológica;
Política científica e tecnológica;
Política econômica;
Pós - graduação;
Recursos minerais;
Rogério Cerqueira Leite;
Universidade de São Paulo;

Sumário

Sumário da 1ª entrevista:
Fita 1: os primeiros estudos; os Laboratórios da Bell Telephone Company; a efetivação na Bell em 1965; a volta ao Brasil em 1970 para dirigir o Departamento de Física do Estado Sólido e Ciência dos Materiais do Instituto de Física da Unicamp; o prestígio internacional do Instituto; a distribuição dos recursos da Universidade entre os institutos e faculdades; a contribuição de Gleb Wataghin à física brasileira; o papel do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA); o ensino e a pesquisa nesse instituto; a área de ciências humanas na Unicamp; a atividade de pesquisa na universidade brasileira; a contribuição científica de Nilton Fernandes; o interesse pela física e demais ciências naturais; os primeiros trabalhos no campo da matemática aplicada; o doutoramento na Universidade de Paris sob a orientação de Pierre Grand; a importância do regime de tempo integral nas universidades; o regime de trabalho do ITA e da Unicamp; a contratação pela Bell Company; a formação teórica e experimental; as linhas de pesquisa da Bell; a publicação de trabalhos em revistas especializadas; a avaliação da produtividade dos pesquisadores: os trabalhos publicados e citados; os físicos brasileiros mais citados nas revistas internacionais; a montagem do laser no ITA.

Fita 2: a experiência como pesquisador da Bell Company; a competição nos meios científicos; o livro de patentes; a política de patentes dos EUA; os trabalhos de Bernhard Gross sobre os eletretos; o contato com a comunidade de físicos brasileiros; o convite de Jayme Tiomno e Oscar Sala para trabalhar na USP; a equipe de pesquisadores do Instituto de Física da Unicamp; o auxílio do CNPq e da FAPESP à instalação dos primeiros laboratórios do Instituto; a dedicação dos docentes ao ensino e à pesquisa; a importância da existência de massa crítica nas instituições científicas; os recursos do Instituto de Física da Unicamp.

Sumário da 2ª entrevista:
Fita 2 (continuação): o programa de pós-graduação do Instituto de Física da Unicamp; o convênio com as principais universidades do Nordeste; o grupo de física dos sólidos do Instituto de Física e Química de São Carlos (USP); o programa de colaboração da Unicamp com universidades da Bolívia, Venezuela, Paraguai e México; ciência pura e ciência aplicada; as linhas de pesquisa do Instituto de Física da Unicamp: a ênfase no trabalho experimental, as pesquisas sobre os semicondutores; as perspectivas do programa de energia solar; a importância da física do plasma; a colaboração do Instituto com a indústria; as pesquisas sobre o quartzo e a indústria de silício no Brasil.

Fita 3: a produção nacional de quartzo e a política de exportação do governo; a evasão de cientistas para a área empresarial; o papel da Companhia de Desenvolvimento de Tecnologia (Codetec); a atuação como coordenador-geral das faculdades da Unicamp: a instituição do regime de tempo integral, a avaliação dos professores; as ciências humanas na unicamp; a troca de pré-publicações com outras universidades; a citação de outros autores nos trabalhos científicos; a importância da publicação de trabalhos em revistas internacionais; a Revista Brasileira de Física; a participação em associações científicas; o status do cientista no Brasil; a administração das agências governamentais de financiamento à ciência: a substituição dos cientistas pelos economistas; a atuação da FAPESP; a política de financiamento do CNPq e da Finep; as características do bom professor e do bom pesquisador; a natureza vaidosa dos físicos; a pós-graduação na universidade e nos institutos isolados; a situação do CRPF após a incorporação ao CNPq.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados