CARLOS FREDERICO DUARTE GONCALVES DA ROCHA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DUARTE, Carlos
Nome Completo: CARLOS FREDERICO DUARTE GONCALVES DA ROCHA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DUARTE, CARLOS

DUARTE, Carlos

*diplomata; emb. Bras. Argentina 1979-1984.

Carlos Frederico Duarte Gonçalves da Rocha nasceu em Resende (RJ) no dia 2 de junho de 1920, filho de José Duarte Gonçalves da Rocha e Maria Emília Duarte Gonçalves da Rocha.

Bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1943 e ingressou no Ministério das Relações Exteriores, por concurso. Foi nomeado cônsul de terceira classe em dezembro de 1943 e fez o curso de prática consular do Instituto Rio Branco em 1945.

Transferido para os Estados Unidos, foi vice-cônsul em Nova Iorque (1946-1951) e participou das assembléias gerais da Organização das Nações Unidas (ONU) (1949-1950) e da Conferência sobre Declaração de Mortos e Desaparecidos (1950). Em 1951 foi para a delegação permanente junto à ONU, mais tarde missão junto à ONU, onde serviria como terceiro-secretário (1951) e segundo-secretário (1951-1952). De volta à Secretaria de Estado das Relações Exteriores, que ocupava o palácio Itamarati do Rio de Janeiro, foi auxiliar do chefe do Departamento Geral de Administração (1952).

Em 1953 foi enviado para a Itália onde serviu como cônsul (1953-1956) e, tendo sido promovido por merecimento em janeiro de 1954, como primeiro-secretário na embaixada junto à Santa Sé (1957-1959). De volta ao Rio de Janeiro, então Distrito Federal, foi chefe interino da Divisão Política (1959), secretário da seção de Segurança Nacional (1960), chefe interino do Departamento Cultural (1961), chefe da Divisão da América Central (1961) e chefe de divisão da Organização de Estados Americanos (OEA) (1961). Nesse período participou das negociações com a Polônia sobre acordos de pagamento e comércio (1960) e das reuniões de consulta dos ministros das Relações Exteriores dos estados americanos em San José (Costa Rica, 1960).

Promovido a ministro de segunda classe em outubro de 1961, foi transferido para a Áustria e serviu na embaixada em Viena, como ministro-conselheiro, de 1962 a 1964, tendo ocupado o cargo de encarregado de negócios no primeiro e no último ano e participado de sessões da Conferência da Agência Internacional de Energia Atômica (1962 e 1963) e do XV Congresso da União Postal Universal (1964) em Viena. Transferido para o Chile em 1965, serviu como ministro-conselheiro na embaixada em Santiago até 1966 quando, novamente no Rio de Janeiro, foi auxiliar do secretário-geral das Relações Exteriores, embaixador Manuel Pio Correia (1966-1967), membro da comissão que elaborou o anteprojeto do novo regulamento de promoções da carreira de diplomata (1966) e chefe interino da seção de Segurança Nacional (1966).

Comissionado embaixador no Panamá em 1971, foi promovido a ministro de primeira classe por merecimento em junho de 1971 e continuou no posto até 1973, tendo exercido, cumulativamente, a função de embaixador na Jamaica no mesmo período. Chefiou numerosas reuniões pan-americanas sobre geografia, história e ciências geofísicas (Panamá, 1973) e integrou missão especial às comemorações da independência das Bahamas (Nassau, 1973). Foi transferido para o Canadá, onde respondeu pela embaixada em Ottawa de 1973 a 1974.

De volta à Secretaria de Estado de Relações Exteriores, instalada no palácio Itamarati de Brasília desde 1970, foi chefe do Departamento de Organismos Regionais Americanos (1975-1977) e participou, nessa função, de reuniões da OEA em Washington (1975) e Santiago (1976) e do Sistema Econômico Latino-Americano (SELA) no Panamá (1975) e em Caracas (1976).

Embaixador na Bélgica de 1977 a 1979, enquanto esteve em Bruxelas respondeu também, cumulativamente, pela embaixada em Luxemburgo. Removido para a Argentina em 1979, substituiu o embaixador Cláudio Garcia de Sousa na chefia da embaixada em Buenos Aires. Participou da XIII Reunião Ordinária dos Chanceleres dos Países da Bacia do Prata (Brasília, 1982) e da XIV Reunião Ordinária de Ministros das Relações Exteriores dos Países da Bacia do Prata, em Assunção (1983). Deixou o posto em 1984, sucedido pelo embaixador João Hermes Pereira de Araújo.

Em 1986, ao completar 15 anos como ministro de primeira classe, passou para o quadro especial, sendo aposentado em junho de 1990.

Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 29 de novembro de 2008.

Era casado com Lúcia Duarte e teve um filho.

 

FONTE: MIN. REL. EXT. Anuário (1976 e 1983); INF. NORA BIOGRAFADO.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados