MOACIR TORRES DUARTE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DUARTE, Moacir
Nome Completo: MOACIR TORRES DUARTE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DUARTE, MOACIR

DUARTE, Moacir

*sen. RN 1984-1987.

 

Moacir Torres Duarte nasceu em Natal, no dia 29 de outubro de 1924, filho de Djalma Torres Duarte e de Rute Torres Duarte.

Bacharel em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco, iniciou a carreira política elegendo-se deputado estadual constituinte na legenda da União Democrática Nacional (UDN) em 1947, e presidindo a comissão especial de reforma constitucional. Tentando reeleger-se em outubro de 1955 obteve a terceira suplência. No ano seguinte assumiu a chefia da Casa Civil do governo Dinarte Mariz (1956-1961). Deixando a casa Civil para ocupar uma cadeira no Legislativo do estado, assumiu a liderança da UDN e do governo em 1957. No pleito de outubro de 1958 elegeu-se novamente deputado estadual. Com a posse do novo governador, Aluísio Alves (1961-1966), assumiu a liderança da oposição e mais uma vez a do partido. Em outubro de 1962 candidatou-se à reeleição, conseguindo a primeira suplência.

Após o movimento político-militar de 31 de março de 1964, que depôs o presidente João Goulart (1961-1964), e em virtude da extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965), e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime. Eleito em novembro de 1966 retornou à Assembléia Legislativa de Pernambuco e mais uma vez foi presidente da comissão especial de reforma da Constituição estadual. Renovou o mandato em novembro de 1970. Líder da Arena e do governo, no governo Cortez Pereira (1971-1975), presidiu a Comissão de Constituição e Justiça.

Em 1975 assumiu a Secretaria de Agricultura do governo Tarcísio Maia (1975-1979). No exercício do cargo exerceu a presidência dos conselhos de administração da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural, da Companhia Integrada do Desenvolvimento Agrário e do conselho diretor do Programa de Desenvolvimento Rural Integrado, participando também do Conselho de Desenvolvimento do Estado e do conselho de administração da Companhia Estadual de Desenvolvimento de Recursos Minerais.

Em 1978 desincompatibilizou-se da secretaria para eleger-se em setembro, pela via indireta, suplente do senador Dinarte Mariz, seu sogro.

Com a extinção do bipartidarismo, em novembro de 1979, e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS) sucessor da Arena.

Em agosto de 1982, quando Mariz pediu licença para tratamento de saúde, assumiu interinamente a cadeira no Senado, nela se efetivando com a morte do titular em setembro de 1984. Titular das comissões de Economia e de Relações Exteriores, e vice-líder do PDS, próximo dos liberais liderados pelo senador pernambucano Marcos Maciel e pelo vice-presidente da República, Aureliano Chaves, Duarte foi autor da proposta que restringia a Lei do Divórcio (Lei nº 6.515/77), só permitindo que cada pessoa dela se valesse uma única vez.

Dada a rejeição da emenda Dante de Oliveira, que previa o restabelecimento das eleições diretas para presidente da República em novembro de 1985 — faltaram 22 votos para que a proposição fosse encaminhada à apreciação do Senado —, no Colégio Eleitoral reunido em 15 de janeiro de 1985 Moacir Duarte votou em Paulo Maluf, candidato do regime militar, derrotado pelo oposicionista Tancredo Neves, da Aliança Democrática, uma união do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) com a dissidência do PDS abrigada na Frente Liberal. Doente, Tancredo não chegou a tomar posse na Presidência, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo interinamente o cargo desde 15 de março.

Derrotado no pleito de novembro de 1986, Moacir Duarte deixou o Senado ao término do mandato, em janeiro de 1987.

Considerado um dos maiores pecuaristas do estado, dono do Haras Santa Teresinha, presidiu a Federação de Agricultura do Rio Grande do Norte e foi vice-presidente da Confederação Nacional da Agricultura. Ao longo da carreira política foi secretário-geral do diretório regional da Arena e posteriormente membro do diretório regional do PDS. Colaborou com o Diário de Notícias, do Rio de Janeiro, a Tribuna do Norte, o Diário de Natal e o Correio do Povo, de Natal, e nas revistas Diretrizes, Leitura e Panfleto do Rio de Janeiro. Na área acadêmica lecionou ciência política na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, onde ocupou a reitoria administrativa.

Publicou Aspectos do problema do petróleo brasileiro (1947), Defesa do poder legislativo (1963), Antes e depois da revolução (1965), Crise do binômio algodão/gado na economia potiguar (1968), Observações sobre a agropecuária potiguar e o crédito rural (1969), Forma de aperfeiçoamento e aplicação do processo revolucionário brasileiro no fortalecimento e na consolidação das instituições democráticas (1969), A agropecuária do Rio Grande do Norte: situação e perspectivas em face da economia e o desenvolvimento regionais (1971), A agropecuária no Rio Grande do Norte (1972), Na dignidade e na grandeza do Poder Legislativo repousam o equilíbrio e a dinâmica do regime democrático (1972), Política agrícola (1978) e Como exerci o meu mandato (1987).

Casado com Teresinha Mariz Duarte, teve seis filhos.

Faleceu em Natal, no dia 15 de agosto de 1997.

Gisele Moura/Vítor Gomes

 

FONTES: Globo (11/8 e 17/9/82); INF. Maria Diva Duarte Fernandes; Jornal do Brasil (10/7/84); SENADO. Dados biográficos (1983-1987); Veja (27/11/85).

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados