Justo Evangelista Conceição

Entrevista

Justo Evangelista Conceição

Entrevista realizada no contexto do projeto "História do Movimento Negro no Brasil", desenvolvido pelo CPDOC em convênio com o South-South Exchange Programme for Research on the History of Development (Sephis), sediado na Holanda, a partir de setembro de 2003. A pesquisa tem como objetivo a constituição de um acervo de entrevistas com os principais líderes do movimento negro brasileiro. Em 2004 passou a integrar o projeto "Direitos e cidadania", apoiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) do Ministério da Ciência e Tecnologia. As entrevistas subsidiaram a elaboração do livro "Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC." Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007. A escolha do entrevistado se justificou por ter sido o primeiro vereador negro do município de Itapecuru Mirim.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC. Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Verena Alberti
Amilcar Araujo Pereira
Data: 9/9/2004
Local(ais):
São Luís ; MA ; Brasil

Duração: 1h30min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Justo Evangelista Conceição
Nascimento: 18/5/1935; Itapecurumirim; MA; Brasil;

Formação:
Atividade: Vereador do município de Itapecuru Mirim. Presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável de Itapecuru. Secretário de Políticas Agrária, Agrícola E Meio Ambiente Do Sindicato de Trabalhadores(As) Rurais de Itapecuru Mirim.

Equipe


Transcrição: Amilcar Araujo Pereira; ;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes; Marco Dreer Buarque;

Sumário: Gabriel Cardoso;

Temas

Alemanha;
Câmara Municipal;
Casamento;
Comissão Pastoral da Terra;
Desapropriação de terras;
Discriminação racial;
Ditadura;
Educação;
Ensino;
Ensino primário;
Escravidão;
Família;
História;
Igreja Católica;
Infância;
Intercâmbio cultural;
Maranhão;
Movimento camponês;
Movimento dos Sem Terra (MST);
Movimento negro;
Movimentos sociais;
Política;
Questão agrária;
Racismo;
Religião;
Saúde pública;
Sindicatos de trabalhadores;

Sumário

Entrevista: 09.09.2004

Fita 1-A: Origem; o trabalho dos pais como lavradores, na comunidade de Tingidor, no interior do Maranhão; breve comentário sobre a luta por desapropriação de terras e criação de assentamentos em Tingidor; as dificuldades e a carestia durante a infância; a alfabetização tardia e o único estudo de quatro meses pagos pelo entrevistado; a mudança para a comunidade de Santo Antônio dos Mendes e o casamento, aos 17 anos de idade; o casamento, os filhos, o início da vida familiar com muita dificuldade e o desejo de ver os filhos estudarem; a mobilização e o trabalho de alfabetização na comunidade por parte do entrevistado; a aproximação com a Igreja Católica e o trabalho de aproximação e diálogo entre as comunidades, na luta comum por educação, saúde e terra; a repressão da Ditadura Militar aos movimentos populares; o início da participação na Comissão Pastoral da Terra (CPT) e participação em outros dois movimentos: Comunidade Eclesial de Base (CEB) e Animação dos Cristãos no meio Rural (ACR); as viagens para Recife e a revolta pela situação da população negra no Brasil; a entrada definitiva na luta pela terra e as ameaças de morte e perseguições sofridas; as fugas e a ajuda das comunidades; a participação na diretoria eleita para o sindicato dos trabalhadores rurais de Itapecurú Mirim; a expulsão de onde morava por fazendeiros locais.
Fita 1-B: A organização dos lavradores na luta pela terra e a consequente perseguição ao entrevistado; a eleição do entrevistado para a presidência do sindicato dos trabalhadores rurais e o trabalho de desapropriação de terras para a criação de assentamentos; as mudanças e melhorias na comunidade Tingidor; a primeira eleição do entrevistado para a Câmara dos vereadores de Itapecurú Mirim, em 1989; a viagem da mulher do entrevistado, Silvéria dos Reis Conceição, para fazer um tratamento de saúde em Belo Horizonte e o período sem mandato; a segunda eleição para vereador, em 1997; comentários sobre o fato de ter sido o primeiro vereador negro e lavrador do município e a discriminação sofrida por isso; o início do maior engajamento no Movimento Negro, a partir de 1997; a volta à diretoria do sindicato dos trabalhadores rurais e a continuidade da luta por terra, apesar dos problemas de saúde; comentários sobre os aprendizados ao longo da vida; a relação com o advogado Benedito Coroba; comentários sobre a persistência do racismo e da discriminação na sociedade atualmente; o reconhecimento do entrevistado como negro; a participação na coordenação estadual do movimento negro e a criação da Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Estado do Maranhão (Aconeruq); o contato com a história da escravidão no Brasil e a influência na atuação do entrevistado; a participação da família no movimento negro; comentários sobre os filhos e a importância da educação.

Fita 2-A: Breve comentário sobre a violência no campo; o trabalho de evangelização e mobilização dos trabalhadores rurais em Teresina; a viagem para Alemanha, em 1994, e o contato com a realidade de outros países; o angariamento de recursos para a Animação dos Cristãos no meio Rural (ACR), na Alemanha; o aprendizado e as conquistas ao longo da vida; comentários sobre a expulsão de onde morava pelo próprio cunhado e a luta judicial que se seguiu; as origens familiares da esposa; a mudança no documento de identidade para se tornar eleitor e votar em um candidato indicado por uma conhecida; comentários sobre o trabalho do entrevistado ser baseado no evangelho; a ajuda de freis e padres na luta dos camponeses.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados